sicnot

Perfil

Mundo

Guerrilha das FARC recrutou 11.556 menores entre 1975 e 2014

A Procuradoria da Colômbia revelou na segunda-feira que a guerrilha da FARC recrutou 11.556 menores de idade entre 1975 e 2014.

"Isto constitui um crime internacional, que é um crime de guerra", afirmou o procurador Jorge Perdomo, que tutelou uma investigação da Procuradoria colombiana, realizada no último ano, sobre o recrutamento de menores pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC).

Os resultados da investigação foram tornados públicos um dia depois de o Governo da Colômbia e as FARC terem anunciado um acordo para a retirada de menores de 15 anos dos acampamentos do grupo guerrilheiro e a elaboração de um plano para a desmobilização progressiva de todos os que têm menos de 18.

"Dentro das políticas de recrutamento de menores", as FARC estabeleceram os 15 anos como a idade mínima para integrar as suas fileiras e milícias, revelou o procurador.

Jorge Perdomo afirmou que a investigação concluiu que "esta política de recrutamento ilícito" é "perfeitamente atribuível ao Secretariado e ao Estado Maior" das FARC.

Segundo a Procuradoria, em 47% dos casos, as FARC conseguiram persuadir os menores a integrarem as suas fileiras. Além disso, 23% dos menores foram enganados e em 30% dos casos houve recrutamento forçado.

Na contabilidade da investigação, 33% dos menores recrutados eram raparigas.

O Governo colombiano e a guerrilha das FARC anunciaram no domingo um acordo para a retirada de menores de 15 anos dos acampamentos do grupo guerrilheiro.

O acordo inclui ainda a elaboração de um plano para a desmobilização progressiva dos menores de 18 que integram as fileiras das FARC e um programa para a reintegração na sociedade civil de todas as crianças e adolescentes que saiam da guerrilha, segundo um comunicado conjunto.

Em fevereiro, as FARC haviam já assumido o compromisso de não voltar a recrutar menores de 18 anos.

Todos os menores que saiam da guerrilha serão considerados vítimas e os que têm menos de 14 anos nunca poderão ser considerados penalmente responsáveis, segundo o acordo.

O negociador das FARC, "Ivan Marquez", disse no domingo que há 21 menores de 15 anos nos acampamentos da guerrilha.

A reinstalação e acompanhamento dos menores contará com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Organização Internacional das Migrações (OIM)

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.