sicnot

Perfil

Mundo

Potências mundiais prometem reforçar cessar-fogo na Síria

Representantes de potências mundiais e regionais reunidos em negociações de paz sobre a Síria comprometeram-se hoje a reforçar o cessar-fogo, mas não chegaram a acordo quanto a uma nova data para retomar as conversações de paz.

© Bassam Khabieh / Reuters

Os chefes das diplomacias dos Estados Unidos, John Kerry, e da Rússia, Serguei Lavrov, deram uma conferência de imprensa conjunta em que, segundo jornalistas presentes, as tensões no processo de paz foram evidentes.

O enviado especial da ONU, Staffan de Mistura, afirmou que não pode chamar o presidente sírio, Bashar al-Assad, e a oposição de volta às negociações sem um "cessar-fogo credível".

Nas declarações que se seguiram, as diferenças entre Washington e Moscovo, que copresidem às negociações, foram claras.

John Kerry disse que o Grupo Internacional de Apoio à Síria (International Syria Support Group, ISSG) concordou na necessidade de haver "consequências para quaisquer partes" que violem a trégua e de manter a pressão sobre Assad.

E Lavrov repetiu que, para a Rússia, as forças de Assad são as mais bem colocadas para combater o Daesh e que contam com o apoio de Moscovo para isso.

"Não apoiamos Assad, apoiamos o combate ao terrorismo", disse.

Os Estados Unidos acusam as forças de Assad da maioria das violações da trégua, enquanto a Rússia acusa os grupos rebeldes.

Estas diferenças estão a travar os esforços para a definição de um calendário para a transição política na Síria, que a ONU defendeu dever ser lançado até agosto.

O secretário de Estado norte-americano afirmou no entanto que a data de 1 de agosto definida pelo Conselho de Segurança é um objetivo e não uma data-limite.

Serguei Lavrov recordou por seu lado que a resolução da ONU sobre o processo de paz prevê que a transição pode levar até 18 meses, após a definição de um roteiro.

"A data exata não vou revelar para já", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, referindo-se ao reinício de negociações indiretas entre o regime e a oposição.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Cultura

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Mágico comove audiência do Britain's Got Talent com a história de cancro da mulher e da filha
    5:16