sicnot

Perfil

Mundo

Potências mundiais prometem reforçar cessar-fogo na Síria

Representantes de potências mundiais e regionais reunidos em negociações de paz sobre a Síria comprometeram-se hoje a reforçar o cessar-fogo, mas não chegaram a acordo quanto a uma nova data para retomar as conversações de paz.

© Bassam Khabieh / Reuters

Os chefes das diplomacias dos Estados Unidos, John Kerry, e da Rússia, Serguei Lavrov, deram uma conferência de imprensa conjunta em que, segundo jornalistas presentes, as tensões no processo de paz foram evidentes.

O enviado especial da ONU, Staffan de Mistura, afirmou que não pode chamar o presidente sírio, Bashar al-Assad, e a oposição de volta às negociações sem um "cessar-fogo credível".

Nas declarações que se seguiram, as diferenças entre Washington e Moscovo, que copresidem às negociações, foram claras.

John Kerry disse que o Grupo Internacional de Apoio à Síria (International Syria Support Group, ISSG) concordou na necessidade de haver "consequências para quaisquer partes" que violem a trégua e de manter a pressão sobre Assad.

E Lavrov repetiu que, para a Rússia, as forças de Assad são as mais bem colocadas para combater o Daesh e que contam com o apoio de Moscovo para isso.

"Não apoiamos Assad, apoiamos o combate ao terrorismo", disse.

Os Estados Unidos acusam as forças de Assad da maioria das violações da trégua, enquanto a Rússia acusa os grupos rebeldes.

Estas diferenças estão a travar os esforços para a definição de um calendário para a transição política na Síria, que a ONU defendeu dever ser lançado até agosto.

O secretário de Estado norte-americano afirmou no entanto que a data de 1 de agosto definida pelo Conselho de Segurança é um objetivo e não uma data-limite.

Serguei Lavrov recordou por seu lado que a resolução da ONU sobre o processo de paz prevê que a transição pode levar até 18 meses, após a definição de um roteiro.

"A data exata não vou revelar para já", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, referindo-se ao reinício de negociações indiretas entre o regime e a oposição.

Lusa

  • Descida da TSU inconstitucional?
    2:37

    TSU

    Especialistas ouvidos pela SIC põem em causa a constitucionalidade da descida da Taxa Social Única dos patrões, como contrapartida pelo aumento do salário mínimo. Como se trata de um imposto pago pelas empresas, só o Parlamento pode decidir uma alteração nas taxas. Neste caso, o Governo decidiu sozinho.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.