sicnot

Perfil

Mundo

Presidente moçambicano pede à Renamo para indicar equipa de diálogo de paz

O Presidente moçambicano pediu hoje ao líder da Renamo para indicar uma equipa visando o início do diálogo sobre a atual crise política e militar no país e afastou a existência de mediação nesta fase do processo.

© Carlo Allegri / Reuters

Em comunicado, o gabinete do chefe de Estado diz que a equipa a ser indicada pelo líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Afonso Dhlakama, deve juntar-se à que foi nomeada em março por Filipe Nyusi para a preparação dos termos de referência dos pontos de diálogo político entre o Governo e o principal partido de oposição.

"O Chefe do Estado moçambicano defende que não haja mediação para a criação da comissão acima referida, pois a retomada do diálogo ocorrerá como resultado dos termos de referência a serem definidos pela equipa conjunta", lê-se no comunicado.

Contactado pela Lusa em Maputo, o porta-voz da Renamo confirmou a receção da carta, afirmando que o partido ainda vai analisar o pedido do chefe de Estado.

"Ainda vamos esmiuçar o seu conteúdo para poder dar uma resposta", afirmou António Muchanga.

O porta-voz da Renamo declarou que a carta de Filipe Nyusi é uma resposta ao pedido que o principal partido de oposição formulou a Filipe Nyusi em março, no sentido de aceitar o envolvimento da União Europeia, Igreja Católica e do Presidente da África do Sul, Jacob Zuma, como mediadores para o fim da crise política e militar em Moçambique.

As negociações entre o Governo moçambicano e a Renamo estão paralisadas há vários meses, depois de a Renamo se ter retirado do processo, alegando falta de progressos e de seriedade por parte do executivo.

Nos últimos meses, Moçambique tem conhecido um agravamento da violência política, com relatos de confrontos entre o braço militar da Renamo e as forças de defesa e segurança, além de acusações mútuas de raptos e assassínios de militantes dos dois lados.

O líder da Renamo está supostamente refugiado numa base na Gorongosa, província de Sofala, na sequência da invasão da sua casa na Beira, em outubro do ano passado pela polícia, alegadamente numa operação de recolha de armas, depois de a sua comitiva ter sofrido duas emboscadas no mês anterior na província de Manica.

Apesar da disponibilidade para negociar manifestada pelo Presidente moçambicano, o líder da Renamo disse no final do ano passado que só dialogará depois de tomar o poder em seis províncias do norte e centro do país, onde o seu movimento reivindica vitória nas eleições gerais de 2014.

O prazo autoimposto por Dhlakama para assumir o controlo daquelas províncias terminou no final de março sem nenhum resultado, embora persistam relatos de confrontações e também de emboscadas nas principais estradas da região centro, atribuídas pelas autoridades a homens armados da Renamo.

Numa carta dirigida a 5 de maio ao Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, Dhlakama deu conta da sua vontade de negociar a paz, mas reiterando que "as experiências e contribuições dos parceiros internacionais não sejam ignoradas ou inferiorizadas".

Durante a visita a Moçambique, no início de maio, Marcelo Rebelo de Sousa disse ter registado as palavras de Filipe Nyusi sobre a paz em Moçambique e considerou que é preciso esperar para saber como e de que forma Portugal poderá ajudar a esse objetivo.

"Não é possível antecipar que tipo de ajuda. Os amigos devem estar sempre disponíveis para ajudar os seus amigos e só as circunstâncias dirão em concreto que tipo de ajuda, em que momento será necessário exercitá-la e qual é a forma de exercitação dessa ajuda", declarou.

Filipe Nyusi considerou, por seu lado, que é preciso dialogar com a Renamo sobre a crise política e militar que abala o país, antes de se falar de mediação internacional.

"Se chegarmos a um momento em que há um litígio, um antagonismo fatal em que as pessoas não se acreditam, então fica necessário dar o passo que está à altura", afirmou.

Lusa

  • Renamo acusa Frelimo de querer aniquilar líder do partido da oposição
    1:08

    Mundo

    A Renamo voltou hoje a acusar a Frelimo de querer aniquilar o líder do principal partido da oposição e, garante que só usa armas para se defender. As declarações foram feitas por Ivone Soares, depois de um encontro com Marcelo Rebelo de Sousa em Maputo. A líder parlamentar da Renamo apelou mais uma vez à mediação internacional.

  • Nyusi convida líder da Renamo para jantar de Estado de Marcelo em Maputo
    2:35

    País

    O líder da Renamo, que está escondido no mato há vários meses, foi convidado pelo Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, para estar no jantar de Estado, oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa, marcado para amanhã. Ao que a SIC apurou, este pode ser um primeiro passo para retomar o diálogo entre a Frelimo e a Renamo. Ontem à noite, também num jantar de Estado, o Presidente português condenou todas as forças políticas que recorrem à violência.

  • Marcelo diz que é importante reforçar cooperação económica com Moçambique

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa terminou, esta sexta-feira, a visita de Estado a Moçambique com um jantar oferecido a Filipe Nyusi. O Presidente da República sublinhou a importância de reforçar a cooperação económica entre os dois países e lembrou que Moçambique só pode crescer e se se tornar num país mais próspero com a ajuda dos amigos, neste caso, de Portugal.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59