sicnot

Perfil

Mundo

Violência homofóbica e transfóbica na educação é um problema global

Oitenta e cinco por cento dos estudantes homossexuais, bissexuais e transgénero (LGBT) são alvo de violência na escola e 45% dos alunos transgénero desistem, segundo um relatório da UNESCO hoje divulgado.

© Jose Cabezas / Reuters

A violência homofóbica atinge também 33% dos estudantes erradamente identificados como LGBT pelo facto de a sua aparência não estar de acordo com as normas de género.

Estas e outras conclusões constam do relatório "Out In The Open", o primeiro relatório global de sempre sobre as respostas do setor educativo à violência relacionada com a orientação sexual e identidade ou expressão de género.

Encomendado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) para o Dia Internacional da Ação Contra Homofobia, Transfobia e Bifobia, o documento revela a natureza, a escala e o impacto da violência, o estado das respostas do setor educativo e recomendações para o futuro.

O relatório foi apresentado numa reunião internacional de ministros da Educação que hoje começou em Paris, numa iniciativa da UNESCO que prossegue na quarta-feira e que é o maior encontro alguma vez feito a este nível para abordar a violência homofóbica e transfóbica na educação.

Espera-se que os ministros lancem um Apelo para a Ação, para demonstrar o seu empenho em garantir o direito à educação de qualidade a todos os estudantes.

"Em 2015, na Cimeira das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, os líderes mundiais fizeram a promessa de fornecer educação inclusiva, igualitária e de qualidade para todos e de assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar de todos até 2030", recordou Irina Bokova, diretora-geral da UNESCO.

"A UNESCO reconhece, contudo, que nenhum país pode atingir tal objetivo enquanto houver estudantes discriminados ou vítimas de violência, incluindo 'bullying', devido à sua real ou aparente orientação sexual ou identidade de género", acrescentou.

Embora o relatório não tenha informação de todos os países do mundo, a conclusão é a de que a violência homofóbica e transfóbica tem um impacto significativo não só na educação dos estudantes, como nas perspetivas de emprego, saúde e bem-estar.

Na China, 59% dos LGBT inquiridos numa sondagem disseram que o 'bullying' afetou de forma negativa o seu desempenho académico, enquanto na Austrália houve uma maior correlação entre a vitimização e a falta de concentração nas aulas, notas mais baixas e assiduidade nos jovens transgénero.

A violência homofóbica e transfóbica está igualmente associada a uma saúde física e mental pior que a média, com riscos acrescidos de ansiedade, pânico, depressão, automutilação e suicídio.

Estudos da Bélgica, da Holanda, da Polónia e dos Estados Unidos sugerem que é entre duas e cinco vezes mais provável que os estudantes LGBT e os jovens em geral considerem ou tentem o suicídio que os seus pares heterossexuais.

A UNESCO recomenda que a resposta do setor educativo assente nos direitos e seja centrada na aprendizagem, inclusiva, participativa, sensível ao género, assente em evidências, apropriada à idade, adequada ao contexto e sensível à cultura.

Lusa

  • Constitucional chumba algumas normas da lei de barrigas de aluguer

    País

    O Tribunal Constitucional chumbou algumas normas do acórdão sobre as barrigas de aluguer. De acordo com o Expresso, a decisão já foi comunicada à Assembleia da República. A obrigatoriedade da regulamentação da lei ser feita pelo Parlamento e não pelo Governo terá sido unânime.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • A história do bebé que continua a lutar pela vida depois do tribunal ter desligado as máquinas

    Mundo

    Alfie Evans sofre de uma doença cerebral degenerativa. A sua condição levou o caso à justiça e, depois de uma batalha judicial entre os pais e o hospital, os juízes determinaram que as máquinas do suporte artificial de vida fossem desligadas. Apesar de os aparelhos terem sido desligados na segunda-feira à noite, segundo os pais, a criança de 23 meses continua a lutar pela vida, respirando sozinha.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17
  • O recado de Donald Trump à Coreia do Norte 

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, exortou Pyongyang a eliminar todo o seu arsenal nuclear, precisando o que queria dizer exatamente ao apelar para a "desnuclearização" do regime totalitário, antes de uma aguardada cimeira com o líder norte-coreano.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31