sicnot

Perfil

Mundo

Acusação do TPI pede "pelo menos 25 anos" de prisão para Jean-Pierre Bemba

O gabinete do procurador do Tribunal Penal Internacional pediu hoje "no mínimo 25 anos" de prisão contra o antigo vice-presidente congolês Jean-Pierre Bemba, considerado culpado de cinco crimes de guerra e contra a humanidade na República Centro Africana.

reuters

Os crimes foram cometidos entre outubro de 2002 e março de 2003 pela milícia do antigo chefe rebelde do norte da República Democrática do Congo e a 21 de março Bemba foi considerado culpado pelo TPI sob o princípio da "responsabilidade do comandante".

A defesa de Bemba pediu entre 12 e 14 anos de prisão.

"Existem duas circunstâncias agravantes: a realização de crimes contra vítimas particularmente vulneráveis e com especial crueldade", afirmou um representante do procurador, Jean-Jacques Badibanga.

O julgamento, iniciado em novembro de 2010, foi o primeiro a condenar o recurso à violação como um crime de guerra.

Os soldados da milícia de Jean-Pierre Bemba, o Movimento de Libertação Congolês (MLC), foram para a República Centro Africana para apoiar o presidente Ange-Félix Patassé, vítima de uma tentativa de golpe de Estado realizada pelo general François Bozizé. Aí mataram, violaram e saquearam.

Vice-presidente da República Centro Africana entre 2003 e 2006, Jean-Pierre Bemba, de 53 anos, já passou oito anos em detenção, após ter sido detido em Bruxelas em 2008.

Arrisca até 30 anos de prisão ou a prisão perpétua se os juízes considerarem que a "extrema gravidade do crime" o justifica. A pena será decidida numa data posterior.

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02