sicnot

Perfil

Mundo

Donald Trump soma mais delegados nas primárias republicanas no Oregon

O magnata do imobiliário Donald Trump, o único pré-candidato que se mantém nas primárias do Partido Republicano dos Estados Unidos, venceu a votação de terça-feira no estado do Oregon, segundo as projeções dos meios de comuncação social.

reuters

Vencer no Oregon significa que o multimilionário fica com a maioria dos 28 delegados em jogo no estado, aproximando-se mais dos 1.237 de que precisa para conseguir oficialmente a nomeação, algo que só poderá acontecer depois de 07 de junho, dia em que votam os populosos estados da Califórnia e Nova Jersey.

Esta foi a terceira vitória de Trump em primárias depois da retirada dos seus últimos dois rivais, Ted Cruz e John Kasich, após vencer na semana passada, sozinho na corrida, na Virgínia Ocidental e no Nebrasca.

Apesar de Trump ser agora o único candidato republicano nestas primárias, os eleitores podem continuar a votar nos nomes que entretanto abandonaram a corrida.

Quanto aos democratas, ficaram divididos nesta última ronda das primárias: Bernie Sanders venceu no estado do Oregon enquanto Hilary Clinton declarou vitória no Kentuky.

Neste último Estado, ambos conquistaram um número muito semelhante de votos e ainda não há resultados oficiais, mas no Twitter Clinton declarou-se vencedora não oficial da votação.

  • Taxa de desemprego abaixo dos 10%

    Economia

    A taxa de desemprego em fevereiro ficou afinal nos 9,9%. O Instituto Nacional de Estatística reviu o indicador em baixa de 0,1 pontos percentuais, esta sexta-feira. É o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55
  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.