sicnot

Perfil

Mundo

Novo sismo no Equador de magnitude 6,8 na escala de Richter

O Centro Sismológico Euro-Mediterrânico registou hoje um sismo de 6,8 na escala de Richter no Equador, um mês depois de um abalo que matou centenas de pessoas naquele país.

reuters

De acordo com o Instituto de Geofísica do Equador, o sismo de hoje aconteceu às 02:57 (08:57 em Lisboa), com epicentro na costa ao largo da província de Manabi e a uma profundidade de 14,7 quilómetros. Já o instituto de sismologia norte-americano USGS deu conta de uma magnitude de 6,7 graus, a mesma registada pelo Centro Sismológico Euro-Mediterrânico (CSEM).

No entanto, de acordo com o CSEM, o sismo ocorreu a 165 quilómetros da capital, Quito, e com epicentro a uma profundidade de 40 quilómetros.

O USGS descartou, para já, qualquer risco de tsunami associado ao sismo do Equador. Já as autoridades equatorianas não registam de momento nem vítimas nem prejuízos materiais.

Ao primeiro abalo, sentido em vários bairros de Quito e noutras localidades, seguiram-se várias réplicas de magnitudes variadas, incluindo uma de 5,4, informou o instituto de geofísica equatoriano.

"Aqui sentimos um forte abanão. Eu e a minha família saímos a correr de casa", declarou à agência France Presse Modesto Guale, um habitante do bairro de Costa Azul na cidade portuária de Manta, na província de Manabi.

A 17 de abril, o Equador foi abalado por um sismo de magnitude 7,8 (Richter), que causou pelo menos 654 mortos.

O Presidente equatoriano, Rafael Correa, considerou o sismo de abril como "a pior tragédia [do Equador] nas últimas sete décadas". Um abalo no Equador em 1949 arrasou cidades inteiras no centro do país, provocando seis mil mortos e afetado quase 100 mil pessoas.

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.