sicnot

Perfil

Mundo

Extrema-direita entra pela primeira vez no Parlamento de Chipre

Uma abstenção recorde nas legislativas de hoje em Chipre deu origem a um parlamento muito fragmentado, com a entrada pela primeira vez de um partido de extrema-direita após três anos de crise económica e diversos escândalos de corrupção.

KATIA CHRISTODOULOU

Os resultados definitivos deram a vitória à União Democrática (Disy, direita), partido no poder e a primeira formação no anterior hemiciclo, com 30% dos votos.

Numa assembleia muito fragmentada, a extrema-direita da Frente nacional popular (Elam) obteve pela primeira vez desde a independência da República de Chipre do jugo britânico, em 1960, representação parlamentar.

O Elam defende o golpe de Estado nacionalista de 1974, apoiado pela então junta militar de extrema-direita no poder em Atenas e que pretendia a união da ilha à Grécia, a justificação para a invasão do norte da ilha pela Turquia. Obteve 3,7% dos votos, assegurando dois deputados.

O Partido progressista do povo trabalhador (Akel, comunista, principal força da oposição), recolheu 25%, um recuo de 7% face às anteriores eleições.

Segundo os responsáveis do sufrágio, apenas votaram 67% dos cerca de 500.000 eleitores, uma taxa de abstenção recorde num país onde o voto é teoricamente obrigatório, contra 21% nas últimas legislativas de 2011.

A elevada abstenção favoreceu a entrada no parlamento de pequenas formações, e oito partidos vão agora partilhar os 56 lugares da assembleia, mais três que os representados até ao momento.

O Presidente Nicos Anastasiades, cujo Governo de direita negociou em 2013 um plano de resgate internacional em plena crise económica, manifestou "inquietação" pela elevada abstenção, logo após o anúncio dos resultados.

Ao não comparecerem às urnas, muitos eleitores terão optado por protestar contra uma série de escândalos de corrupção que atingiram o funcionalismo público e responsáveis políticos. As dificuldades económicas e sociais, associadas ao plano de resgate após a crise de 2013 também cristalizaram o descontentamento, mesmo que o crescimento tenha regressado nos últimos meses.

No entanto, os resultados não deverão ter impacto nas negociações sobre a reunificação da ilha do Mediterrâneo oriental, dividida em duas entidades desde 1974: a República de Chipre, Estado-membro da União Europeia (UE) e da zona euro, e a autoproclamada República turca de Chipre do Norte (RTCN), apenas reconhecida por Ancara.

Os dirigentes das duas partes da ilha relançaram as conversações em maio de 2015 e intensificaram o diálogo a partir de novembro, com o apoio da ONU, UE e Estados Unidos, com o objetivo de formar um Estado federal.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.