sicnot

Perfil

Mundo

Líder dos talibãs afegãos atacado pelos EUA porque era uma "ameaça"

O secretário de Estado norte-americano John Kerry afirmou hoje que o líder dos talibãs, mullah Akhtar Mansur, foi alvo de um ataque aéreo norte-americano porque representava uma "ameaça" para as forças norte-americanas e afegãs e para os civis afegãos.

Akhtar Mansur, antigo líder dos talibãs.

Akhtar Mansur, antigo líder dos talibãs.

(SIC/ Arquivo)

"Mansur era (...) uma ameaça iminente para o pessoal norte-americano, os civis afegãos e as forças de segurança afegãs", declarou John Kerry à imprensa em Naypyidaw, capital da Birmânia, adiantando que "ele se opunha diretamente às negociações de paz".

Os Estados Unidos "sempre defenderam que um processo de reconciliação dirigido pelos afegãos era o meio mais seguro para assegurar a paz [...] a paz é o que nós queremos, Mansur era uma ameaça para isso", adiantou, durante a visita que está a efetuar à Birmânia.

Washington tinha anunciado no sábado que os Estados Unidos tinham "provavelmente" matado num raide aéreo no Paquistão o líder dos talibãs afegãos, indo em socorro do governo de Cabul.

O ataque foi efetuado com vários drones (aviões não tripulados) das forças especiais norte-americanas numa zona remota na fronteira do Afeganistão e com o Paquistão, a sudoeste da cidade de Ahmad Wal.

Desde o final da missão de combate da Nato no Afeganistão, as forças norte-americanas têm teoricamente um papel de aconselhamento e de assistência às forças afegãs.

O mullah Akhtar Mansur assumiu oficialmente a liderança dos talibãs afegãos em julho de 2015, tendo sucedido ao mullah Omar.

Em dezembro de 2015, fontes afegãs e paquistanesas tinham indicado que o mullah Mansur tinha ficado gravemente ferido ou mesmo morrido numa troca de tiros durante uma reunião de responsáveis talibãs no Paquistão. Posteriormente, a morte de Mansur foi desmentida pelo movimento islamita.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.