sicnot

Perfil

Mundo

Líder dos talibãs afegãos atacado pelos EUA porque era uma "ameaça"

O secretário de Estado norte-americano John Kerry afirmou hoje que o líder dos talibãs, mullah Akhtar Mansur, foi alvo de um ataque aéreo norte-americano porque representava uma "ameaça" para as forças norte-americanas e afegãs e para os civis afegãos.

Akhtar Mansur, antigo líder dos talibãs.

Akhtar Mansur, antigo líder dos talibãs.

(SIC/ Arquivo)

"Mansur era (...) uma ameaça iminente para o pessoal norte-americano, os civis afegãos e as forças de segurança afegãs", declarou John Kerry à imprensa em Naypyidaw, capital da Birmânia, adiantando que "ele se opunha diretamente às negociações de paz".

Os Estados Unidos "sempre defenderam que um processo de reconciliação dirigido pelos afegãos era o meio mais seguro para assegurar a paz [...] a paz é o que nós queremos, Mansur era uma ameaça para isso", adiantou, durante a visita que está a efetuar à Birmânia.

Washington tinha anunciado no sábado que os Estados Unidos tinham "provavelmente" matado num raide aéreo no Paquistão o líder dos talibãs afegãos, indo em socorro do governo de Cabul.

O ataque foi efetuado com vários drones (aviões não tripulados) das forças especiais norte-americanas numa zona remota na fronteira do Afeganistão e com o Paquistão, a sudoeste da cidade de Ahmad Wal.

Desde o final da missão de combate da Nato no Afeganistão, as forças norte-americanas têm teoricamente um papel de aconselhamento e de assistência às forças afegãs.

O mullah Akhtar Mansur assumiu oficialmente a liderança dos talibãs afegãos em julho de 2015, tendo sucedido ao mullah Omar.

Em dezembro de 2015, fontes afegãs e paquistanesas tinham indicado que o mullah Mansur tinha ficado gravemente ferido ou mesmo morrido numa troca de tiros durante uma reunião de responsáveis talibãs no Paquistão. Posteriormente, a morte de Mansur foi desmentida pelo movimento islamita.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.