sicnot

Perfil

Mundo

Disparados tiros contra sede do Partido Socialista francês em Grenoble

A sede do Partido Socialista francês na cidade de Grenoble foi alvo de disparos na madrugada de hoje, quando estava vazia, uma ação ainda em investigação que pode estar relacionada com a contestação social ao governo socialista.

reuters

Os escritórios do partido em Grenoble (sudeste), localizados no rés-do-chão de um edifício de habitação de cinco andares, foram atingidos por cinco balas, segundo um comunicado do Ministério do Interior, cujo titular, Bernard Cazeneuve, condenou o ataque "com a maior firmeza".

Habitantes da zona relataram ter ouvido rajadas com vários minutos de intervalo entre si pouco antes da 01:00 local (00:00 em Lisboa), segundo o jornal Le Dauphiné Liberé.

O ataque não foi reivindicado até ao momento.

A justiça abriu um inquérito por danos voluntários com arma de fogo.

Várias sedes locais do partido socialista francês têm sido alvo de vandalismo nas últimas semanas, mas esta é a primeira vez que são utilizadas armas de fogo.

Bernard Cazeneuve afirmou que as autoridades estão a fazer todos os esforços "para deter rapidamente os autores" do ataque e sublinhou que ataques contra sedes políticas "são, na sua essência, incompatíveis com o exercício do pluralismo e da diversidade de opiniões garantidos pelo Estado de Direito".

"Estes atos, de particular gravidade, constituem um atentado insuportável à vida democrática do país", acrescentou.

França assiste desde o princípio de abril a uma forte contestação social, com manifestações e greves, devido à reforma da lei laboral proposta pelo governo de François Hollande.

A reforma visa tornar o mercado laboral mais flexível, mas os sindicatos e associações estudantis na origem dos protestos consideram que ela vai conduzir à eliminação de direitos e à desproteção dos trabalhadores

  • Ministra do Mar não aceita suspensão da pesca da sardinha
    2:39

    Economia

    O organismo científico que aconselha a Comissão Europeia em matéria de pescas recomendou esta sexta-feira que Portugal e Espanha não pesquem sardinha no próximo ano. A Ministra do Mar não aceita esta recomendação de capturas zero e vai propor uma redução do limite de capturas de sardinha das 17 mil toneladas deste ano para cerca de 14 mil em 2018.

  • Atividade económica regista crescimento

    Economia

    A atividade económica portuguesa está a crescer ao maior ritmo dos últimos 17 anos. O crescimento registado em setembro é o mais elevado desde janeiro de 2000. Já o consumo privado registou uma diminuição face a agosto.

    SIC