sicnot

Perfil

Mundo

Paulo Portas diz que embargo a Cuba "é um erro desde o primeiro dia"

O ex-vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, considerou num debate em Lisboa em torno dos desafios da região do Atlântico que o embargo a Cuba é um erro e que Marrocos permanece um Estado decisivo para a segurança europeia.

"O que o Presidente (dos EUA) Obama fez em relação a Cuba já os Estados Unidos deviam ter feito há muito tempo. O embargo (a Cuba) é um erro desde o seu primeiro dia. Não estou a ter qualquer posição esquerdista, limito-me a seguir a posição de Estados muito respeitáveis, o primeiro dos quais a Santa Sé", afirmou no decurso de um debate com o lema "Reforço do alinhamento atlântico de Portugal", no âmbito do V Encontro "Triângulo Estratégico: América Latina-Europa-África" que decorre hoje e terça-feira em Lisboa.

Num painel onde também intervieram o ex-secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Francisco Seixas da Costa, o investigador do IPRI e do Center for Transatlantic Relations da universidade John Hopkins, Bernardo Pires de Lima, e o conselheiro de Estado Luis Marques Mendes, o também ex-ministro dos Negócios Estrangeiros começou por destacar a importância de Marrocos, "exemplo de estabilidade política e integração social".

"O relacionamento de Portugal com Marrocos é determinante para a nossa segurança, e é um dos Estados relevantes para a segurança da Europa (...) e em plena crise de migrações o que foi obtido foi uma das gestões mais bem-sucedidas dos fluxos migratórios", assinalou Paulo Portas.

O ex-chefe da diplomacia participou no primeiro dia de sessão dos V Encontros, uma iniciativa do Instituto para a Promoção e Desenvolvimento da América Latina (IPDAL) e da Abreu Advogados, para além de diversos parceiros, e que contou na sessão de abertura com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Numa abordagem com um pendor menos institucional face à situação internacional e aos desafios no Atlântico e Mediterrâneo, e após reforçar a importância de Marrocos para a segurança do país, considerou que os órgãos de soberania portugueses "não devem envolver-se em questões ainda abertas e que em nome da prudência e do bom senso não seria bom para Portugal ter excesso de opiniões sobre a matéria".

A importância de Portugal manter "relações especialmente cuidadosas com os Estados soberanos de língua portuguesa, as relações particulares com o Brasil, de "pensar no Brasil" mas também nos restantes países "de origem hispânica" foram outros aspetos assinalados, com alguns recados.

"Qualquer atitude de arrogância intelectual de imposição de modelos é a pior forma de relacionamento com a América Latina", disse.

As relações Europa-Estados Unidos, a importância do Atlântico e Mediterrâneo para a segurança global ou as mudanças internas nos EUA com a "institucionalização da influência latina" e o desafio as presidenciais no novembro foram também referidos, à semelhança de outras intervenções.

O embaixador Seixas da Costa mostrou-se no entanto particularmente crítico face à política externa do Presidente norte-americano ao considerar "que o mundo não está mais seguro depois de Obama", antes de definir a sua política externa como "medíocre" e após pugnar pela necessidade de a União Europeia (UE) "recuperar a dimensão relações externas".

"Não sabemos o que vem da política externa dos EUA", frisou, numa alusão aos dois candidatos que se preparam para disputar as presidenciais de novembro.

Sobre Portugal, Seixas da Costa considerou que o mar constitui hoje "o último reduto da soberania portuguesa, a última reserva de soberania de Portugal que tem de ser preservada", disse.

Uma opinião parcialmente partilhada por Bernardo Pires de Lima, que antes das intervenções apresentou o seu livro "Portugal e o Atlântico".

"Procuro inverter uma certa tendência do discurso para o declínio fatalista do Atlântico e uma ascensão imparável e determinista do Pacífico, disse em declarações à Lusa.

"Existem muito mais questões em torno do tema da estabilidade, no potencial do Atlântico, que não estão no debate (relacionado com a emergência do Pacífico). É isso que procuro trazer e também trarei algumas visões nacionais, de interesse nacional, onde Portugal quer no domínio público ou privado, pode fazer mais", acrescentou.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.