sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 41 mortos em duas explosões no Iémen

Duas explosões de bombas em Áden, segunda maior cidade do Iémen, com o objetivo de atingir o exército iemenita, mataram pelo menos 41 pessoas, a maior parte delas aspirantes a recrutas, indicou uma fonte oficial militar.

© Fawaz Salman / Reuters

Um bombista suicida matou 34 pessoas que faziam fila para se inscrever no centro de recrutamento da base militar de Badr, no bairro Khormaksar, indicou o general Nasser al-Sarei, comandante das forças especiais do exército, citado pela agência France Presse.

Uma segunda explosão aconteceu depois dentro da base militar, matando sete soldados, acrescentou o oficial.

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico reclamou a responsabilidade dos atentados através de um comunicado publicado na internet. O EI especificou que um dos seus militantes fez detonar um cinto de explosivos entre "soldados renegados" num centro de recrutamento, e que esta ação foi seguida pelo rebentamento de uma bomba no portão da base.

Áden é a cidade onde funciona o Governo do Presidente Abedrabbo Mansour Hadi, que luta contra as forças rebeldes xiitas que controlam a capital. Áden tem sido fustigada nos últimos meses por uma série de ataques, reclamados pela Al-Qaida ou pelo grupo 'jihadista' rival, Estado Islâmico.

Lusa

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.