sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 41 mortos em duas explosões no Iémen

Duas explosões de bombas em Áden, segunda maior cidade do Iémen, com o objetivo de atingir o exército iemenita, mataram pelo menos 41 pessoas, a maior parte delas aspirantes a recrutas, indicou uma fonte oficial militar.

© Fawaz Salman / Reuters

Um bombista suicida matou 34 pessoas que faziam fila para se inscrever no centro de recrutamento da base militar de Badr, no bairro Khormaksar, indicou o general Nasser al-Sarei, comandante das forças especiais do exército, citado pela agência France Presse.

Uma segunda explosão aconteceu depois dentro da base militar, matando sete soldados, acrescentou o oficial.

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico reclamou a responsabilidade dos atentados através de um comunicado publicado na internet. O EI especificou que um dos seus militantes fez detonar um cinto de explosivos entre "soldados renegados" num centro de recrutamento, e que esta ação foi seguida pelo rebentamento de uma bomba no portão da base.

Áden é a cidade onde funciona o Governo do Presidente Abedrabbo Mansour Hadi, que luta contra as forças rebeldes xiitas que controlam a capital. Áden tem sido fustigada nos últimos meses por uma série de ataques, reclamados pela Al-Qaida ou pelo grupo 'jihadista' rival, Estado Islâmico.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.