sicnot

Perfil

Mundo

Ucrânia estima que 10 mil pessoas morreram no conflito armado no leste do país

O Presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, estimou hoje em mais de 10.000 o número de mortos no conflito armado no leste do país, pelo qual responsabilizou a Rússia, e calculou em mais de 20.000 o número de feridos.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Alexander Ermochenko / Reuters

"Já há mais de dois anos que o meu país é alvo da agressão russa. As consequências humanitárias desta agressão são mais de 10.000 ucranianos mortos, mais de 20.000 feridos e cerca de 1,8 milhões de deslocados", disse Poroshenko, citado no site da Presidência ucraniana.

Segundo os mais recentes dados da ONU, foram mais de 9.000 pessoas, entre combatentes e civis, os mortos no leste da Ucrânia nos pouco mais de dois anos de duração do conflito deflagrado depois da rebelião separatista pró-russa nas regiões orientais de Donetsk e Lugansk.

Tanto Kiev como o Ocidente acusam a Rússia de apoiar com armas e tropas os separatistas pró-russos.

Moscovo nega qualquer envolvimento direto no conflito e reconhece apenas o seu apoio às aspirações dos rebeldes de obter uma grande autonomia no âmbito de um Estado federal.

Mais de um ano após a assinatura dos Acordos de Minsk para a solução pacífica do conflito, Kiev e os separatistas foram incapazes de manter o cessar-fogo, apesar das muitas tréguas adotadas umas atrás das outras, no âmbito do chamado Grupo de Contacto para a Ucrânia, único fórum de diálogo em que as duas partes se sentam à mesma mesa.

Também não há acordo no que respeita à convocação de eleições locais em 2016 nas zonas controladas pelos pró-russos.

A Rússia e os rebeldes acusam a Ucrânia de se recusar a aplicar a parte política dos acordos: revisão constitucional, descentralização, amnistia e concessão de um estatuto especial às zonas controladas pelos separatistas.

Kiev, por sua vez, recusa-se a reconhecer legitimidade às autoridades rebeldes e exige a Moscovo que retire as tropas do leste da Ucrânia e que entregue aos militares ucranianos o controlo de toda a fronteira entre ambos os países.

Lusa

  • Marcha lenta em Lisboa apela ao fim do conflito na Ucrânia
    0:35

    País

    Cerca de 200 ucranianos manifestaram-se ao final da manhã em Lisboa contra a guerra entre a Rússia e a Ucrânia. Na marcha lenta, que partiu do Terreiro do Paço com destino ao Largo Camões, esteve presente a embaixadora da Ucrânia em Portugal. A iniciativa fez parte de um movimento europeu, já que milhares de ucranianos desfilam hoje em várias cidades europeias a apelar ao fim do conflito que começou há já dois anos. Por cá, foi também entregue uma carta ao presidente da Assembleia República para sensibilizar o Governo para esta questão, como deixou claro Pavlo Sandokan, da Associação de Ucranianos em Portugal.

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50