sicnot

Perfil

Mundo

Netanyahu envolvido em polémica com viagens de avião com família

As viagens em avião feitas por Benjamin Netanyahu e a sua família antes de ser primeiro-ministro israelita estão no centro de um relatório divulgado esta terça-feira, que aponta para possíveis conflitos de interesse.

© Ronen Zvulun / Reuters

O documento, da autoria do fiscal do Estado, Yossef Shapira, que verifica as políticas governamentais e o uso dos fundos públicos, incide sobre o período em Netanyahu foi ministro da Finanças, de 2003 a 2005.

"As viagens de Netanyahu e da sua família, financiadas por entidades externas (ao governo) durante o período em que foi ministro das Finanças, desrespeitaram as regras em vigor sobre o assunto e poderiam assim dar a impressão de serem benefícios ou se tratar de um conflito de interesses", escreveu-se no relatório, redigido em hebraico, e publico no sítio da instituição na internet.

A imprensa avançou que estão em causa cinco ou seis viagens ao estrangeiro, algumas das quais feitas com a esposa e os filhos.

O relatório especificou também que Netanyahu não comunicou o financiamento destas viagens às autoridades competentes.

Componentes da investigação do controlador do Estado foram transmitidos ao gabinete do procurador-geral, o que os impede de serem revelados.

Lusa

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.