sicnot

Perfil

Mundo

Polónia abate árvores em área classificada como Património Mundial pela UNESCO

A Polónia procedeu esta terça-feira ao abate das primeiras árvores na floresta de Bialowieza, apesar dos protestos de grupos ambientais que querem salvaguardar a área, classificada como Património Mundial pela UNESCO.

© Peter Andrews / Reuters

O início do abate foi confirmado pelo diretor-geral das Florestas, Konrad Tomaszewski, que justificou a iniciativa com o arranque do plano de exploração de madeira em zonas não protegidas.

Segundo Konrad Tomaszewski, o objetivo é "travar a degradação florestal" e proteger os visitantes do risco de queda de árvores, com o combate à infestação do inseto 'Ips typographus' detetada pelo Ministério do Ambiente.

Opinião contrária têm os ativistas ambientais, que alertam para os efeitos da destruição de um ecossistema intacto há mais de 10.000 anos e que alberga as maiores árvores e o maior mamífero da Europa, o bisonte-europeu.

"Apelamos à Comissão Europeia que intervenha antes que o governo polaco permita a destruição irreversível da floresta de Bialowieza", disse a ativista Katarzyna Jagiello, da representação do Greenpeace na Polónia.

Os ativistas não consideram a presença do inseto como uma justificação viável para o corte das árvores.

"O ministro não percebe que o inseto é um visitante frequente e natural, que sempre existiu e com o qual a floresta conseguiu sobreviver", disse Katarzyna Jagiello à agência francesa AFP.

O Ministério do Ambiente garantiu que os trabalhadores florestais vão cortar nos próximos 10 anos mais de 180.000 metros cúbicos de madeira, nas áreas não protegidas da floresta, um aumento substancial relativamente ao anterior plano, que previa o abate de 40.000 metros cúbicos.

Apesar do Ministério ter dito que a operação pretendia proteger áreas que fazem parte da rede europeia Natura 2000 - que tenta preservar as espécies e os habitats mais ameaçados da Europa -, as organizações sem fins lucrativos manifestaram-se "admiradas por Jan Szyzko (ministro do Ambiente) invocar legislação da União Europeia para justificar o abate das árvores".

"A decisão de multiplicar os abates de árvores não é compatível com a legislação europeia porque não foi precedida por um estudo de impacto ambiental para as espécies e para as áreas protegidas", considerou Agata Szafraniuk, da organização não-governamental ClientEarth.

Bialowieza, Património Mundial desde 1979, cobre cerca de 150 mil hectares na Polónia e Bielorrússia e acolhe 20 mil espécies animais.

O projeto para Bialowieza é a última ação do governo de direita que desencadeou a polémica na Polónia e no estrangeiro.

Uma delegação da UNESCO deve visitar Bialowieza entre os dias 4 e 8 de junho para avaliar a situação.

Lusa

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Rapper XXXTentacion morto em aparente tentativa de roubo

    Cultura

    O rapper norte-americano XXXTentacion, de 20 anos, morreu na noite de segunda-feira depois de ter sido baleado, na Florida, no sudeste dos Estados Unidos. Um dos suspeitos terá disparado e atingido o rapper e, de seguida, dois suspeitos fugiram numa viatura escura. A polícia está a considerar tentativa de roubo.

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.