sicnot

Perfil

Mundo

Venezuelanos vão pagar dez vezes mais pela farinha de milho

Os venezuelanos vão ter de pagar dez vezes mais pelo preço oficial do quilograma de farinha de milho e mais caro ainda que o valor pedido pela Associação Venezuelana de Milho (AVM), segundo uma listagem publicada hoje pela Superintendência de Preços Justos da Venezuela.

Venezuelanos vão pagar dez vezes mais pelo preço oficial da farinha de milho

Venezuelanos vão pagar dez vezes mais pelo preço oficial da farinha de milho

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo a tabela divulgada oficialmente, o quilo de farinha de milho pré-cozida passa de 19,00 para 190,00 bolívares por quilo (de 1,69 euros para 16,96 euros à taxa oficiam Dicom), em contraste com o ajuste para os 115,00 bolívares (10,26 euros) que a AVM pedia ao executivo.

Na Venezuela há a tradição diária de comer, ao pequeno-almoço, uma ou duas "arepas", uma massa redonda e achatada de milho, que depois de frita ou assada é usada como se fosse pão e que à hora de ir para a mesa é recheada com fiambre, queijo, peixe ou carne.

Nos primeiros dias de março de 2016, a AVM pediu ao Governo venezuelano que permitisse aumentar o preço da farinha de milho para 115,00 bolívares (10,26 euros) cada quilograma, para assim poder "pagar a colheita a preços adequados aos produtos nacionais, para gastos adicionais, peças (para a reparação de maquinaria e materiais para empacotar".

Dados não oficiais dão conta de que cada venezuelano consome 34 quilogramas de farinha de milho por ano.

Com frequência os venezuelanos queixam-se de dificuldades para conseguir a farinha de milho pré-cozido, num mercado cada vez mais marcado pela escassez de produtos básicos.

Por outro lado, os empresários queixam-se de que a produção nacional não é suficiente e dificuldades no acesso a divisas para importar aquele produto, devido ao sistema de controlo cambial que vigora desde 2003 no país e que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira.

Alguns dos produtos escassos estão acessíveis através dos 'bachaqueros' (vendedores informais ou mercado negro) onde um quilograma de farinha de milho pode chegar a custar 1.400,oo bolívares (125 euros), dependendo da demanda.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.