sicnot

Perfil

Mundo

Venezuelanos vão pagar dez vezes mais pela farinha de milho

Os venezuelanos vão ter de pagar dez vezes mais pelo preço oficial do quilograma de farinha de milho e mais caro ainda que o valor pedido pela Associação Venezuelana de Milho (AVM), segundo uma listagem publicada hoje pela Superintendência de Preços Justos da Venezuela.

Venezuelanos vão pagar dez vezes mais pelo preço oficial da farinha de milho

Venezuelanos vão pagar dez vezes mais pelo preço oficial da farinha de milho

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo a tabela divulgada oficialmente, o quilo de farinha de milho pré-cozida passa de 19,00 para 190,00 bolívares por quilo (de 1,69 euros para 16,96 euros à taxa oficiam Dicom), em contraste com o ajuste para os 115,00 bolívares (10,26 euros) que a AVM pedia ao executivo.

Na Venezuela há a tradição diária de comer, ao pequeno-almoço, uma ou duas "arepas", uma massa redonda e achatada de milho, que depois de frita ou assada é usada como se fosse pão e que à hora de ir para a mesa é recheada com fiambre, queijo, peixe ou carne.

Nos primeiros dias de março de 2016, a AVM pediu ao Governo venezuelano que permitisse aumentar o preço da farinha de milho para 115,00 bolívares (10,26 euros) cada quilograma, para assim poder "pagar a colheita a preços adequados aos produtos nacionais, para gastos adicionais, peças (para a reparação de maquinaria e materiais para empacotar".

Dados não oficiais dão conta de que cada venezuelano consome 34 quilogramas de farinha de milho por ano.

Com frequência os venezuelanos queixam-se de dificuldades para conseguir a farinha de milho pré-cozido, num mercado cada vez mais marcado pela escassez de produtos básicos.

Por outro lado, os empresários queixam-se de que a produção nacional não é suficiente e dificuldades no acesso a divisas para importar aquele produto, devido ao sistema de controlo cambial que vigora desde 2003 no país e que impede a livre obtenção local de moeda estrangeira.

Alguns dos produtos escassos estão acessíveis através dos 'bachaqueros' (vendedores informais ou mercado negro) onde um quilograma de farinha de milho pode chegar a custar 1.400,oo bolívares (125 euros), dependendo da demanda.

Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05