sicnot

Perfil

Mundo

Atentados na Síria mataram 184 pessoas nos últimos dois dias

O balanço de mortos registados nos atentados dos últimos dois dias nas localidades de Yabla e Tartús, na costa mediterrânea síria, aumentou para 184, segundo dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Arquivo

Arquivo

© Alaa Faqir / Reuters

O maior número de mortos registou-se em Yabla, na província de Latakia, onde 136 pessoas perderam a vida em cinco explosões.

Duas explosões foram originadas por carros-bomba à entrada da região e perto da estação de autocarros, enquanto as outras três foram realizadas por suicidas com cintos de explosivos e que se detonaram em acessos a dois hospitais e nas imediações da Direção de Eletricidade.

Os meios de comunicação oficiais sírios disponibilizaram até ao momento um valor menor de vítimas, informando 78 mortes e dezenas de feridos.

O grupo radical Estado Islâmico reivindicou a autoria dos atentados e indicou que se tratou de uma vingança devido aos bombardeamentos da Rússia, aliada do regime de Damasco, capital da Síria.

Estes ataques são os primeiros deste tipo que têm lugar nas zonas de Latakia e Tartús, onde vive a grande minoria de alauitas -- à qual pertence o Presidente sírio, Bachar al Asad -- e onde os níveis de violência foram menores desde o inicio do conflito, em março de 2011.

Tartús alberga uma base naval russa e Yabla encontra-se situada perto do aeroporto militar de Hamimim, este utilizado pela aviação russa para lançar os seus bombardeamentos no território sírio.


Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.