sicnot

Perfil

Mundo

Milhares de crianças trabalham nas plantações de tabaco da Indonésia

As plantações de tabaco na Indonésia, que fornecem centenas de marcas ocidentais, empregam milhares de crianças em condições perigosas para a sua saúde, denunciou hoje a Human Rights Watch em relatório.

Arquivo.

Arquivo.

© Juan Carlos Ulate / Reuters

A lei indonésia interdita o trabalho a menores de 18 anos nas indústrias perigosas.

A organização de defesa dos direitos do homem Human Rights Watch cita dezenas de casos de menores -- alguns com apenas oito anos -- que ficaram doentes depois de terem manuseado folhas de tabaco ou pesticidas sem proteção.

A Indonésia conta com 500.000 plantações de tabaco que alimenta essencialmente o mercado interno. Não obstante, um quarto da produção de tabaco indonésia é exportada, e revendida aos gigantes da indústria tabaqueira, disse à AFP, Jo Becker, da HRW.

"Um fumador que aceda um Dunhill, um Lucky Strike ou outro cigarro na Europa ou nos Estados Unidos poderá estar a fumar um cigarro fabricado na Indonésia graças ao trabalho infantil".

Nenhum das multinacionais de tabaco que operam na Indonésia tem uma política "suficiente para garantir que as crianças estão protegidas", acusa a HRW no relatório de 113 páginas.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.