sicnot

Perfil

Mundo

Obama vai prestar homenagem "a todas as vítimas da II Guerra Mundial" em Hiroshima

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou hoje que irá prestar homenagem "a todas as vítimas da II Guerra Mundial" durante a visita a Hiroshima, agendada para sexta-feira, mas também defender "um mundo livre de armas nucleares".

© Carlos Barria / Reuters

O chefe de Estado norte-americano chegou hoje ao Japão, onde vai participar numa cimeira dos sete países mais industrializados do mundo (G7) e realizar uma visita considerada como histórica à cidade de Hiroshima, onde os Estados Unidos lançaram a 06 de agosto de 1945 a primeira bomba atómica de urânio, com o nome de código "Little Boy".

Obama será o primeiro Presidente norte-americano em exercício a visitar Hiroshima.

"A nossa visita a Hiroshima vai servir para honrar todos aqueles que perderam a vida na II Guerra Mundial e para reafirmar a nossa visão comum sobre um mundo livre de armas nucleares", disse Obama após uma reunião bilateral com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na véspera da cimeira de chefes de Estado e de Governo do G7 (França, Grã-Bretanha, Estados Unidos da América, Alemanha, Japão, Itália e Canadá), agendada para a localidade costeira de Ise-Shima, no centro do arquipélago.

O primeiro-ministro japonês irá acompanhar Obama na visita a Hiroshima.

A história de Hiroshima "lembra-nos que a guerra implica sofrimento e que devemos sempre fazer tudo o que é possível para a evitar", referiu Obama.

"No entanto, sou o Presidente de uma nação que por vezes é ameaçada por riscos reais, não imaginários, e é importante atuar em conformidade para garantir a proteção dos norte-americanos", acrescentou o governante.

Shinzo Abe disse esperar que a visita a Hiroshima signifique que "esta tragédia" não se vai repetir no Japão, nem em outra parte do mundo.

Questionado sobre uma possível visita ao porto de Pearl Harbour, alvo de um ataque das forças nipónicas a 07 de dezembro de 1941 que desencadeou a entrada dos Estados Unidos na II Guerra Mundial, Shinzo Abe afirmou que neste momento "não está a planear viajar para o Hawai".

Barack Obama e Shinzo Abe também discutiram o recente homicídio de uma jovem japonesa que terá sido alegadamente cometido por um ex-militar norte-americano funcionário da base de Kadena, em Okinawa (sul do Japão).

Os líderes expressaram a sua firme condenação do incidente e Obama ofereceu "a plena colaboração" das autoridades norte-americanas "para avançar com a investigação, garantir o cumprimento da justiça e evitar a repetição de tragédias similares".

Este caso está a chocar a sociedade japonesa e tem vindo a alimentar a contestação da população de Okinawa contra a presença de tropas norte-americanas no território japonês. Exemplo disso foi um protesto hoje realizado em frente das instalações da base de Kadena que reuniu cerca de 4.000 pessoas.

Lusa

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".