sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos sete pessoas morreram hoje em Alepo

Pelo menos sete pessoas morreram hoje, entre os quais dois menores de idade, devido a ataques em áreas sob controlo do governo na província de Alepo, segundo a agência noticiosa síria (SANA).

© Hosam Katan / Reuters

Fonte da polícia de Alepo disse que três mulheres morreram devido a 'rockets' "disparados por grupos terroristas" contra o distrito de Ashrafia, em Alepo.

Em Al Jalediya, periferia norte de Alepo, os disparos contra casas mataram uma pessoa e outra morreu no bairro de Salahedin, da mesma localidade, com os disparos de um franco-atirador.

Segundo a SANA, pelo menos dois menores morreram em consequência da queda de 30 'rockets' lançados por "terroristas" contra a população de Nubul e Zahrá, na província de Alepo, controlada pelas forças governamentais.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos divulgou terça-feira que mais de 300 civis morreram em Alepo no mês de maio, dos quais 74 tinham menos de 18 anos.

Nos últimos meses, a cidade de Alepo e subúrbios têm sido palco do aumento da violência, depois de uma trégua supervisionada por Washington e Moscovo a 27 de fevereiro.

A Rússia propôs na sexta-feira aos Estados Unidos e à coligação internacional liderada por Washington o lançamento de ataques aéreos em conjunto a partir de 25 de maio contra "grupos terroristas" ativos na Síria.

A ideia foi rejeitada pelos Estados Unidos.

Lusa

  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual em que aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.