sicnot

Perfil

Mundo

Primeiros neandertais já exploravam o subsolo e utilizavam o fogo

Os primeiros representantes europeus dos neandertais, cerca de 140.000 anos antes do homem moderno, ocuparam cavernas profundas e construíram estruturas complexas com o apoio do fogo, revela um estudo divulgado hoje.

Fogueira de São João em Gijon, Espanha / Reuters

Fogueira de São João em Gijon, Espanha / Reuters

© Eloy Alonso / Reuters

Esta é uma descoberta que fornece uma visão sem precedentes sobre estes hominídeos.

Até hoje, a prova mais antiga de que estes homens frequentavam as cavernas remontava a cerca de 38.000 anos atrás, na caverna francesa de Chauvet (sudeste). Um novo estudo trouxe novas descobertas sobre o assunto.

A gruta francesa de Bruniquel, perto de Toulouse, ofereceu esta descoberta inesperada: seis estruturas compostas por estalagmites, ou pedaços de estalagmites, organizadas de forma mais ou menos circular junto a restos de combustão de fogo.

Jacques Jaubert, um dos líderes deste estudo e etnólogo do Centro Nacional da Pesquisa Cientifica (CNRS) de França, explicou que a organização da gruta não é fruto do acaso, pois existem elementos fragmentados e sobrepostos para manter as estruturas em pé.

Ao todo, podem contar-se cerca de 400 estalagmites, com um peso global estimado em 2,2 toneladas, estando colocadas de forma a formar uma linha continua, estas estruturas alcançariam os 112 metros.

A equipa de investigadores batizou estes restos fragmentados e reorganizados de "speleofacts". Junto a estes fragmentos, o uso do fogo é visível, demonstrando não ter origem nem no passar do tempo, nem em animais.

Estes detritos de fogo, segundo a interpretação da equipa, revelam que, "muito antes do homo-sapiens", os primeiros neandertais sabiam utilizá-lo para circular num espaço fechado e desprovido da luz do dia.

As estruturas encontram-se a 336 metros da entrada, o que a torna "a mais antiga a essa distância", "a mais bem conservada", e "uma das primeiras da história da humanidade", dado que existem outras mais antigas mas com estruturas mais fragmentadas ou contestadas pela etnologia.

A sua própria existência, segundo os peritos, é em si mesma surpreendente. Este estudo destaca que é "praticamente única nos registos arqueológicos, de seja qual for o período".

Em Bruniquel, a idade das estalagmites é muito anterior à da chegada dos homens modernos à Europa (-40.000), pelo que os seus autores seriam os primeiros homens de Neandertal.

A gruta, que estava fechada, foi descoberta em 1990 e cinco anos depois foi feita a primeira datação, utilizando o método da datação em carbono catorze, dando uma idade mínima de 47.600 anos, o limite que esta técnica permite.

A partir de 2013, novas análises baseadas nas propriedades radioativas do urânio, que medem o final do crescimento das estalagmites utilizadas, permitem chegar a uma idade média para os fragmentos de 176.500 anos, com uma margem de erro de 2100 anos.

Nessa época atravessava-se um período "glaciar, mas dentro de um episódio relativamente húmido e ameno", acrescentou Dominique Genty, diretor de investigação do CNRS.

Os peritos querem determinar primeiro a documentação do achado antes de avançarem para a interpretação.

Mas, por eliminação, explicam que se pode supor que estas construções circulares não foram construídas por motivos ambientais, nem de alimentação, mas sim para criar um local de culto e de celebração.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52