sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas descobrem mecanismo celular na origem da infertilidade feminina

Uma equipa de investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) descobriu, numa experiência com a mosca da fruta, o mecanismo numa estrutura das células que está na origem da infertilidade feminina.

Fertilização in vitro

Fertilização in vitro

© Reuters Photographer / Reuter

A estrutura chama-se centríolo e tem de ser eliminada no óvulo (célula feminina) durante a sua formação, para, quando este for fecundado, gerar um embrião.

Quando o óvulo não perde os seus próprios centríolos, ficando, no momento da fertilização, ao mesmo tempo, com os centríolos transportados pelos espermatozoides (células masculinas), a divisão celular faz-se anormalmente, o embrião não se desenvolve, a fêmea é infértil.

A perda de centríolos na formação do óvulo deve-se à perda do revestimento destas estruturas, que as protegem, porque falta uma proteína reguladora chamada polo. Quando é reposta essa proteína, o revestimento dos centríolos não desaparece e estas estruturas não são eliminadas.

O mecanismo foi identificado na mosca da fruta, mas é visível em todos os animais, incluindo os seres humanos. As conclusões do estudo, liderado por Mónica Bettencourt-Dias, do IGC, são publicadas na revista Science.

Os cientistas sabiam, desde a década de 30, que os centríolos são estruturas fundamentais para a multiplicação das células e que, para darem origem a um embrião, só podem ser herdadas dos machos.

"A divisão celular tem de ter um número muito certinho de centríolos", vincou à Lusa a investigadora Mónica Bettencourt-Dias, coordenadora do Laboratório de Regulação do Ciclo Celular.

Quando tal não acontece, e existem no óvulo centríolos da fêmea e do macho, e, portanto, um número incorreto de centríolos, o embrião não se desenvolve.

Em situações normais, os centríolos desaparecem na formação do óvulo porque perdem o seu revestimento, devido à falta da proteína polo.

O grupo de Mónica Bettencourt-Dias descobriu que este revestimento (formado por proteínas) protege os centríolos, impede o desaparecimento destas estruturas.

Ao repor o revestimento dos centríolos no óvulo, no momento errado, durante a sua formação, restituindo a proteína reguladora, os centríolos não desapareciam e as células não se multiplicavam.

Para a investigadora, o revestimento dos centríolos pode ser também importante para o estudo da regeneração celular e do cancro, uma vez que, "quando perdem os centríolos, as células estão bloqueadas, não podem proliferar".

Lusa

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05