sicnot

Perfil

Mundo

Vítimas da bomba atómica no Japão descontentes com visita de Obama a Hiroshima

Um grupo que representa as vítimas coreanas da bomba atómica lançada pelos Estados Unidos no Japão acusou hoje Barack Obama de negligenciar o seu sofrimento, antes da visita do Presidente a Hiroshima.

© Toru Hanai / Reuters

A Associação de Vítimas Coreanas da Bomba Atómica estima que entre 40 mil e 70 mil coreanos morreram em Hiroshima e Nagasaki quando as bombas atómicas foram lançadas sobre as duas cidades em agosto de 1945.

A península coreana esteve sob domínio colonial japonês nessa época, e a maioria dos que morreram foram recrutados pelo exército japonês ou participavam em trabalhos forçados.

A associação argumenta que houve múltiplas vítimas coreanas, que merecem um pedido de desculpas tanto dos Estados Unidos como do Japão.

Cerca de duas dezenas de membros do grupo, incluindo sobreviventes e familiares dos que morreram, reuniram-se junto à embaixada dos Estados Unidos em Seul com cartazes onde se lia "Peçam desculpa às vítimas coreanas pela bomba atómica" e "Reconheçam a segunda geração de vítimas".

Na sexta-feira, Obama torna-se o primeiro Presidente norte-americano no ativo a visitar Hiroshima e, apesar de já ter afirmado que não fará um pedido de desculpas, a Coreia do Sul receia que a viagem se vá inserir numa narrativa que apenas se foca no sofrimento do Japão, ignorando as consequências do período colonial e guerra noutros povos.

Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15