sicnot

Perfil

Mundo

Crise na Venezuela faz crescer mercado negro

Crise na Venezuela faz crescer mercado negro

Num clima de crescente tensão política e social, a economia paralela na Venezuela tem terreno fértil para crescer. Os enviados da SIC à Venezuela, Sofia Arede e Odacir Júnior estiveram hoje no mercado do Bairro de Petare, uma das maiores favelas do mundo e onde a luta pela sobrevivência corre paralela ao mercado negro.

  • "Encontrámos um país descrente no seu futuro"
    2:32

    Mundo

    Um país descrente no futuro, que vive tempos de incerteza e uma população com receio do que poderá acontecer foi o retrato que a correspondente da SIC Sofia Arêde encontrou ao chegar à Venezuela. Com os cortes de energia fora da capital bastante frequentes, as escolas fechadas à sexta-feira e os funcionários públicos a trabalharem apenas dois dias por semana, o Governo pretende poupar energia. Se por um lado o executivo de Maduro culpa a seca, por outro a oposição acusa o Governo de má gestão dos recursos energéticos ao longo dos últimos anos.

  • Escassez de farinha faz diminuir produção de pão na Venezuela
    3:13

    Mundo

    A escassez de farinha fez diminuir a produção de pão na Venezuela e deixou muitas padarias sem ter o que vender. Os venezuelanos esperam horas em filas para comprar bens essenciais e assim evitar recorrer ao mercado paralelo. O Governo diz que está a enfrentar uma guerra económica e a oposição responsabiliza as políticas herdadas de Hugo Chávez pela escassez de bens essenciais como alimentação e medicamentos.

  • Venezuelano relata dificuldades para comprar comida e medo que se vive nas ruas
    1:13

    Mundo

    O Presidente Nicolas Maduro ameaçou mandar suspender a Constituição, em resposta aos protestos da oposição. A Venezuela vive uma das mais graves crises dos últimos anos com uma inflação prevista para este ano de 700% e escassez generalizada de bens essenciais. A SIC falou com Julio Riquezes, um empresário venezuelano da construção civil, que fala da dificuldade de quem quer comprar comida e não encontra, e também do medo de uma revolta violenta nas ruas.

  • "É fundamental apoiarmos as famílias portuguesas" na Venezuela
    3:23

    Mundo

    A tensão política e social que se vive na Venezuela faz com que alguns emigrantes portugueses queiram regressar à Madeira. O presidente do Governo Regional da Madeira, diz que é fundamental apoiar as famílias portuguesas e que a TAP deveria retomar a ligação direta entre Caracas e o Funchal. Miguel Albuquerque garante que a comunidade portuguesa na Venezuela está a ser acompanhada pelos consulados e apoiada pelos centros sociais.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.