sicnot

Perfil

Mundo

Jovens iranianos condenados a 99 chicotadas por dançarem em festa de finalistas

Cerca de 30 jovens que festejavam numa casa do norte do Irão, foram condenados a 99 chicotadas cada um, uma pena que foi imediatamente aplicada, segundo uma agência noticiosa iraniana.

© Thaier Al-Sudani / Reuters (Arquivo)

"Mais de 30 raparigas e rapazes, que não se conheciam, e que dançavam numa festa de finalistas foram presos e punidos", declarou quinta-feira Esmail Sadeghi Niyaraki, procurador-geral da cidade de Qazvin, à agência noticiosa da autoridade judiciária Mizaonline.

Niyaraki disse que a festa teve lugar perto de Qazvin, no jardim de uma casa, sem precisar a data.

Após as detenções, um tribunal reuniu-se de urgência e condenou cada um dos jovens a receber 99 chicotadas que "foram dadas nesse mesmo dia" pelos membros da polícia de costumes, acrescentou.

"A detenção dos jovens que estavam seminus, consumiam álcool e comportavam-se de maneira indecente, choca a opinião pública", afirmou o procurador.

Niyaraki ficou contente e deu "graças a Deus" porque "em menos de 24 horas, os interrogatórios, a investigação, o processo, a sentença e a sua aplicação, foram fechadas".

Segundo o procurador, isto é "uma lição para os que tentem violar as regras" da República islâmica, onde é proibido aos homens e às mulheres dançarem em conjunto - principalmente se estas não estiverem a usar o véu islâmico - e consumirem álcool.

Desde a Revolução islâmica de 1979 que o véu islâmico é obrigatório no Irão para todas as mulheres.

O procurador-geral de Qazvin também referiu que os restaurantes e os quartos da cidade "que organizem festas mistas ou sirvam álcool - ou naqueles em que o álcool for encontrado - serão fechados".

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43
  • Cerca de 20 mil portugueses vivem em Barcelona
    1:44