sicnot

Perfil

Mundo

Máquina de criptografia nazi usada na II Guerra Mundial vendida no eBay

Um grupo de voluntários britânicos comprou no portal eBay uma máquina Lorenz de criptografia utilizada pelos nazis durante a II Guerra Mundial, explicaram hoje num programa da BBC.

© Beck Diefenbach / Reuters

Os voluntários do Museu Nacional de Informática, situado em Bletchley Park -- onde se situou o centro de descodificação britânico durante o conflito -, identificaram o objeto quando examinavam o portal, onde o aparelho era vendido como sendo uma "máquina de telegramas" por 9,50 libras (12,50 euros).

"Um colega meu estava a analisar o eBay e viu uma foto do que parecia ser um teleimpressor", declarou John Wetter, um dos assistentes que colabora no museu.

Posteriormente, segundo explicou Wetter, o grupo deslocou-se à localidade inglesa de Southend para falar com a pessoa que vendia o objeto e ali encontraram o teclado da máquina Lorenz, na sua mala original e "debaixo de uma pilha de lixo".

O museu indicou que a máquina só tem o teclado e pediu ajuda para tentar localizar o motor, de modo a poder reconstruí-la e testar o seu funcionamento.

A principal diferença entre esta máquina e a Enigma, de menor tamanho e criptografia rotativa, está em que a Lorenz operava num circuito de teletipo e foi utilizada para transmitir mensagens de alto nível entre Adolf Hitler e os seus generais, explica a estação de televisão britânica BBC.

Através desta máquina telegráfica introduziam-se mensagens em alemão que se encriptavam através de um aparelho de criptografia adjunto e eram recebidas pelo destinatário através de outra máquina de teletipo.

O presidente do museu inglês, Andy Clark, assinalou que, pela sua complexidade e maior tamanho, os alemães guardavam as máquinas Lorenz em lugares seguros, ao ponto de os criptógrafos britânicos terem conseguido quebrar o código em 1942, sem nunca terem visto nenhuma destas máquinas.

Lusa

  • Veio para Portugal para estar mais perto da natureza mas o fogo levou-lhe tudo
    4:59
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão