sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 700 mortos em naufrágios no Mediterrâneo esta semana revela ACNUR

GALERIA DE FOTOS

Pelo menos 700 migrantes morreram afogados esta semana em três naufrágios na costa da Líbia, afirmou hoje o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

© Handout . / Reuters

© Handout . / Reuters

© Handout . / Reuters

© Handout . / Reuters

© Handout . / Reuters

© Handout . / Reuters

© Handout . / Reuters

"A situação é caótica, não podemos ter certeza dos números, mas receamos que pelo menos 700 pessoas poderão ter morrido afogadas em três naufrágios esta semana", num dos quais terão morrido mais de 500 pessoas, segundo o porta-voz do ACNUR Federico Fossi, citado pela agência France Presse.

Pelo menos 500 migrantes desapareceram depois de a embarcação de pesca em que seguiam ter naufragado na quinta-feira na costa da Líbia, segundo o testemunho de alguns sobreviventes que deram conta que entre os mortos estariam pelo menos 40 crianças, incluindo, bebés recém-nascidos.

Na quarta-feira, pelo menos 100 pessoas desapareceram na sequência de um naufrágio tendo sido recuperados 45 corpos durante uma operação de busca e salvamento na sequência de um outro naufrágio, na sexta-feira.

"Nunca iremos saber o número exato [de desaparecidos], nunca iremos saber a sua identidade, mas os sobreviventes disseram que morreram mais de 500 pessoas" no naufrágio de quinta-feira, afirmou, por seu turno, Carlota Sami, do ACNUR, num cometário publicado na rede social Twitter.

Já a porta-voz da organização de defesa dos direitos humanos Save the Children na Sicília, Gionanna Di Benedetto, disse que é impossível verificar o número de mortos, mas de acordo com relatos dos sobreviventes, cerca de 1.100 pessoas saíram de Sabratha, na Líbia, na quinta-feira, em duas embarcações de pesca e num bote.

  • Líderes do G7 reúnem-se hoje e amanhã no Japão
    1:49

    Mundo

    Os líderes dos países mais industrializados reúnem-ne hoje e amanhã na Cimeira do G7 no Japão. Antes da reunião de hoje, o presidente do Conselho Europeu pediu mais solidariedade para com os refugiados e lembra que esta é uma crise global. O encontro de dois dias no Japão, centra-se sobretudo na economia mundial e na crise migratória.

  • Refugiados admitem que não há condições no campo de Idomeni
    0:41

    Mundo

    Dezenas de refugiados estão a abandonar de forma independente o campo de Idomeni, no norte da Grécia, junto à fronteira com a Macedónia. Pelo segundo dia consecutivo as autoridades gregas disponibilizam autocarros para a retirada dos cerca de 8 mil residentes no campo, mas muitos preferem fazer-se ao caminho para fugir ao circuito oficial que os levará para outros centros na Grécia. Os refugiados reconhecem que o campo de Idomeni não é opção e que não tem condições para tantas pessoas.

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Uso de véu que tape o rosto proibido em serviços públicos no Quebec, Canadá
    1:04
  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de 5 anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.