sicnot

Perfil

Mundo

Representante da oposição síria nas negociações de paz anuncia demissão

O representante da oposição síria nas negociações de paz para a Síria, Mohammed Allouche, anunciou este domingo a sua demissão, invocando o fracasso das negociações e a continuação dos bombardeamentos do regime de Bashar al-Assad nas zonas rebeldes.

Um rapaz com uma bandeira da oposição síria.

Um rapaz com uma bandeira da oposição síria.

© Bassam Khabieh / Reuters

"As três rondas de negociações (que decorreram em Genebra, sob a égide das Nações Unidas) não tiveram resultados por causa da teimosia do regime e a continuação dos bombardeamentos e agressões ao povo sírio", disse Allouche, membro do órgão político do grupo armado Jaish al-Islam (grupo apoiado pela Arábia Saudita) e que foi nomeado como negociador principal para as conversações com o governo sírio.

"As negociações sem fim afetam no destino do povo e, por isso, anuncio a minha saída da delegação e a minha demissão", afirmou, numa publicação na rede social Twitter.

O representante da oposição síria denunciou também a "incapacidade da comunidade internacional de fazer aplicar as resoluções, nomeadamente as que dizem respeito aos aspetos humanitários, o levantamento dos cercos, a entrada da ajuda, a libertação de prisioneiros e o respeito da trégua".

Allouche referia-se ao acordo russo-americano para a cessação das hostilidades entre o regime e os rebeldes que entrou em vigor a 27 de fevereiro, mas que foi violado em várias ocasiões.

Os bombardeamentos, de ambas as partes, sucedem-se em locais como Alepo e perto da capital, Damasco. O regime sírio recusa a entrada da ajuda em cidades como Daraya, cercada desde 2012.

As conversações, mediadas pela ONU, entre o governo sírio e os grupos da oposição, em Genebra, terminaram a 27 de abril, ao fim de duas semanas, sem quaisquer avanços, ao mesmo tempo que os combates regressavam ao terreno, com a violação do cessar-fogo.

Era esperada uma nova ronda de negociações no final deste mês, mas ainda não foi avançada uma nova data.

O enviado especial da ONU, Staffan de Mistura, disse na quinta-feira ao Conselho de Segurança que tencionava convocar novas negociações logo que possível, mas que isso não acontecerá "antes de duas ou três semanas".

O mediador sublinhou que primeiro é preciso "constatar que há progressos no terreno, em particular no que diz respeito ao cessar-fogo e acesso de ajuda humanitária", antes de um recomeço das negociações entre o governo sírio e a oposição.

Desde o início da revolta contra o regime do presidente Bashar al-Assad, em março de 2011, a guerra na Síria já fez mais de 270 mil mortos e milhões de deslocados e refugiados.

Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.