sicnot

Perfil

Mundo

Bombardeamentos russos mataram mais de 6 mil pessoas na Síria em 8 meses

Pelo menos 6.340 pessoas, dos quais cerca de 2.000 civis, morreram nos últimos oito meses na Síria em bombardeamentos da aviação russa, aliada do governo de Damasco, segundo dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

reuters

Entre os mortos, pelo menos 2.099 eram civis, entre os quais 500 menores de idade e 318 mulheres.

Os ataques da força aérea russa também causaram 2.270 baixas nas fileiras do grupo extremista Estado Islâmico e 1.971 entre as organizações rebeldes sírias, além da Frente Al-Nosra (filial da Al-Qaida na Síria) e do Exército Islâmico do Turquemenistão.

A Rússia começou a 30 de setembro de 2015 uma campanha de bombardeamentos na Síria, cuja guerra civil começou em meados de março de 2011.

Tanto Moscovo como Damasco têm afirmado que os ataques são contra organizações terroristas, mas o Observatório e opositores asseguram que os aviões russos também têm como alvo zonas residenciais e bases de brigadas opositoras, como o Exército Sírio Livre.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.