sicnot

Perfil

Mundo

Hungria anuncia reforço de vedações na fronteira com Sérvia

A Hungria anunciou hoje que começou a reforçar a vedação na fronteira com a Sérvia após um aumento da chegada de refugiados, na sequência da evacuação do campo de Idomeni, na fronteira entre a Grécia e a Macedónia.

reuters

Na semana passada, as autoridades gregas retiraram cerca de 8.400 pessoas do temporário campo de Idomeni e levaram-nas para centros espalhados pelo país.

Mas as autoridades húngaras afirmam que algumas pessoas acabaram por seguir pela rota dos migrantes, apesar do encerramento de fronteiras, imposto em meados de fevereiro, por vários Estados dos Balcãs, numa tentativa de travar o fluxo em direção ao norte da Europa.

"Após o encerramento do campo de refugiados de Idonemi, na semana passada, aumentou o número de migrantes que tentam atravessar a fronteira húngara", disse Gyorgy Bakondi, assessor do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban.

O número de entradas ilegais subiu de 70 a 90 pessoas por dia para entre 100 a 150 por dia desde a evacuação do campo de Idomeni, disse Bakondi à rádio nacional, Kossuth.

Em resultado disso, o Governo húngaro vai instalar "barreiras permanentes" em locais onde o arama farpado já "não é suficiente" para impedir os migrantes de entrar, afirmou.

Um fotógrafo da agência France-Presse viu hoje entre 200 a 250 pessoas, do lado sérvio da fronteira, à espera para entrar na Hungria.

Cerca de 300 mil migrantes e refugiados atravessaram a Hungria no ano passado, depois de o Governo de direita ter encerrado as fronteiras, a sul, com a Sérvia e a Croácia, no outono.

As medidas, a par de um rigoroso controlo nas fronteiras e duras leis contra entradas ilegais e vandalismo das vedações, diminuíram o fluxo para um ritmo de conta-gotas, enquanto a Europa se debate com a pior crise de migrantes desde a Segunda Guerra Mundial.

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".