sicnot

Perfil

Mundo

Hungria anuncia reforço de vedações na fronteira com Sérvia

A Hungria anunciou hoje que começou a reforçar a vedação na fronteira com a Sérvia após um aumento da chegada de refugiados, na sequência da evacuação do campo de Idomeni, na fronteira entre a Grécia e a Macedónia.

reuters

Na semana passada, as autoridades gregas retiraram cerca de 8.400 pessoas do temporário campo de Idomeni e levaram-nas para centros espalhados pelo país.

Mas as autoridades húngaras afirmam que algumas pessoas acabaram por seguir pela rota dos migrantes, apesar do encerramento de fronteiras, imposto em meados de fevereiro, por vários Estados dos Balcãs, numa tentativa de travar o fluxo em direção ao norte da Europa.

"Após o encerramento do campo de refugiados de Idonemi, na semana passada, aumentou o número de migrantes que tentam atravessar a fronteira húngara", disse Gyorgy Bakondi, assessor do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban.

O número de entradas ilegais subiu de 70 a 90 pessoas por dia para entre 100 a 150 por dia desde a evacuação do campo de Idomeni, disse Bakondi à rádio nacional, Kossuth.

Em resultado disso, o Governo húngaro vai instalar "barreiras permanentes" em locais onde o arama farpado já "não é suficiente" para impedir os migrantes de entrar, afirmou.

Um fotógrafo da agência France-Presse viu hoje entre 200 a 250 pessoas, do lado sérvio da fronteira, à espera para entrar na Hungria.

Cerca de 300 mil migrantes e refugiados atravessaram a Hungria no ano passado, depois de o Governo de direita ter encerrado as fronteiras, a sul, com a Sérvia e a Croácia, no outono.

As medidas, a par de um rigoroso controlo nas fronteiras e duras leis contra entradas ilegais e vandalismo das vedações, diminuíram o fluxo para um ritmo de conta-gotas, enquanto a Europa se debate com a pior crise de migrantes desde a Segunda Guerra Mundial.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08