sicnot

Perfil

Mundo

Líder da Irmandade Muçulmana no Egito condenado a nova pena de prisão perpétua

O guia supremo da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, e outros 35 membros daquele movimento islamita foram condenados no Egito a uma pena de prisão perpétua por incitamento e envolvimento em atos violentos e assassínios, foi hoje divulgado.

© Asmaa Waguih / Reuters

O Tribunal Penal de Ismailiya, cidade a cerca de 140 quilómetros a noroeste da capital egípcia do Cairo, considerou que os acusados eram culpados do crime de incitamento à violência, mas também do envolvimento em ações de violência naquela cidade e do planeamento de uma ocupação armada da representação local do governo.

Estes elementos também foram considerados culpados do assassínio de três civis e da intenção de matar outras 16 pessoas.

Segundo a agência noticiosa egípcia oficial MENA, outros 49 arguidos foram condenados a penas entre os três e os 15 anos de prisão, enquanto outros 20 foram declarados inocentes.

Os acusados foram julgados por acontecimentos ocorridos em Ismailiya após o golpe militar de 03 de julho de 2013 e em plena vaga de protestos populares contra o então Presidente egípcio e membro da Irmandade Muçulmana, Mohamed Morsi.

Depois de assumir o poder político, o exército egípcio lançou uma ofensiva contra o movimento islamita, classificado pelas autoridades como um grupo terrorista, e contra os movimentos políticos de esquerda que participaram na revolução popular de 25 janeiro de 2011, que derrubou o regime de Hosni Mubarak, e nos protestos de 2013 contra a Irmandade Muçulmana.

O guia supremo da Irmandade Muçulmana já tinha sido condenado a duas penas de morte e a uma pena de prisão perpétua.

A primeira condenação à pena capital está relacionada com a fuga de reclusos da prisão de Wadi Natroun durante a revolução de 2011, inserida na chamada Primavera Árabe (vaga de contestação popular que atravessou vários países do norte de África e do Médio Oriente).

A outra condenação está ligada aos acontecimentos que ocorreram na praça de Rabea a 14 de agosto de 2013.

Na altura, as forças de segurança egípcias dispersaram de forma violenta os manifestantes que contestavam o golpe militar e a deposição de Morsi. O guia supremo da Irmandade Muçulmana e outros dirigentes foram então acusados de organizar uma operação para enfrentar as forças de segurança.

A 22 de agosto de 2015, o Tribunal Penal de Port Said condenou o guia supremo do movimento islamita a uma pena de prisão perpétua. Mohamed Badie e outros 18 dirigentes e membros da organização foram considerados culpados de instigar atos de violência em Port Said em agosto de 2013.

lUSA

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.