sicnot

Perfil

Mundo

Mais de metade das deputadas japonesas já sofreram assédio sexual

Mais de metade das deputadas dos parlamentos regionais do Japão dizem ter sofrido assédio sexual por parte de colegas e eleitores durante campanhas, revela um inquérito da agência Kyodo, publicado hoje por vários meios de comunicação nipónicos.

arquivo ap

À sondagem, realizada entre as 261 mulheres que ocupam cargos políticos no país asiático, responderam 147 deputadas, ou seja, 56,4 por cento das consultadas.

Entre elas, 59,2% disseram ter sofrido assédio sexual por "palavras e ações", durante a sua carreira política.

No questionário, 69% declararam que foram os próprios deputados das suas assembleias que cometeram estes atos, enquanto 53% assegurou ter sofrido algum tipo de assédio por parte de potenciais eleitores durante a época de campanha eleitoral.

Os dados refletem uma vez mais o sexismo latente ou as lacunas em matéria de igualdade de que sofre o Japão - especialmente em áreas como a política - onde as mulheres constituem uma minoria.

Hoje, apenas 9,8% dos assentos políticos estão ocupados por mulheres, segundo dados do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações do Japão.

Entre as agressões pormenorizadas no questionário, mencionam-se casos de deputados que, durante viagens de trabalho, entraram nos quartos da suas colegas para tentar beijá-las "à força".

Também se pormenorizam as agressões de eleitores masculinos que, durante as campanhas, tocaram nas candidatas ou situações em que as deputadas foram obrigadas a servir bebidas aos homens - um costume do Japão feudal que ainda é bem visto no país - "para obterem o seu voto".

O sexismo na política nipónica ficou exposto em junho de 2014, quando uma deputada de Tóquio, Ayaka Shiomura, foi ridicularizada e interrompida por vários colegas do hemiciclo com o grito "Devias de ter antes tu própria um filho" ou "Apressa-te e casa-te" quando defendia mais apoio para as mães trabalhadoras.

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC