sicnot

Perfil

Mundo

Polícia brasileira confirma violação de adolescente de 16 anos

A Polícia Civil do Rio de Janeiro confirmou hoje que houve crime de violação de uma adolescente de 16 anos numa favela, mas está ainda a investigar a dimensão do crime, ou seja, se realmente foram 30 os violadores.

Leo Correa

Numa conferência de imprensa ao início da tarde, a delegada Cristina Bento disse que "o estupro está provado" pela publicação de um vídeo na Internet onde a jovem aparece a ser manipulada. No vídeo, é ainda referida uma violação anterior por mais de 30 homens.

"O que eu quero provar é a extensão desse estupro, se foram cinco, 10 ou 30. É isso que essa prisão temporária foi decretada", disse, referindo-se à detenção de seis suspeitos.

Segundo a delegada, se uma pessoa abusa da vítima e outra está olhando, ambas vão responder pelo mesmo crime.

Cristina Bento adiantou que a adolescente "está com medo de falar e não está colaborando, dizendo quem foi", mas acrescentou acreditar que o namorado dela teve participação no caso.

"As meninas são abusadas sexualmente nestas comunidades e não falam por medo dos traficantes. Ela somente veio, porque veio à tona essas imagens. Se não, ela não viria", comentou, ao dizer que o chefe do tráfico no local também está envolvido, porque ele sabe sempre o que acontece no local.

Apesar de não terem sido colhidos indícios de lesão, dado que a vítima foi analisada quatro dias depois, o crime está provado pelo seu depoimento, para além do vídeo.

A delegada Cristina Bento frisou que "o exame de corpo de delito é importante, mas não é determinante".

Não há provas de violência física, até porque a vítima teria sido sedada durante a violação.

Adriane Rego, do Instituto Médico Legal, explicou que, após 48 horas, os vestígios não são os mesmos.

O chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Fernando Veloso, afirmou que outros elementos estão a ser integrados no inquérito, mas talvez a polícia não possa referir alguns deles, num caso que está sob segredo de justiça.

O mesmo responsável falou ainda da substituição do coordenador da investigação do caso, dizendo que a delegada agora atribuída é melhor para o "trato com a vítima".

A substituição do comissário Alessandro Thiers foi pedida pela advogada da jovem de 16 anos, que, segundo o chefe da Polícia Civil, "tem um histórico complicado" e pode ter "havido uma questão pessoal ali", que não é prioridade agora.

De acordo com Fernando Veloso, Alessandro Thiers foi afastado do caso porque o seu "nível de stress" estava prejudicando o andamento da investigação.

Entretanto, numa entrevista, a adolescente disse estar "com muito medo" por sofrer ameaças nas redes sociais, com milhares de mensagens de pessoas a dizerem que vão matá-la.

"O próprio delegado culpou-me. Quando eu fui à delegacia, eu não me senti à vontade em nenhum momento. Eu acho que é por isso que muitas mulheres não fazem denúncias. Tentaram incriminar-se, como se eu tivesse culpa por ser estuprada", relatou a jovem.

Lusa

  • Seleção de sub-21 precisa de vencer a Macedónia

    Desporto

    A seleção portuguesa de futebol de sub-21 precisa, hoje, de vencer a Macedónia e de marcar pelo menos quatro golos para poder sonhar ainda com a presença nas meias-finais do Europeu da categoria, que decorre na Polónia.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.