sicnot

Perfil

Mundo

Dezenas protestam em Hong Kong contra mudança de nome do Pikachu

Numa altura em que fãs de todo o mundo aguardam expectantes pelo lançamento de dois novos jogos do Pokémon, alguns, em Hong Kong, concentram as energias num protesto contra a mudança de nome do Pikachu.

reuters

Cerca de duas dezenas de fãs do Pokémon foram para as ruas de Hong Kong manifestar-se contra a decisão da Nintendo de usar o idioma Putonghua (Chinês Mandarim) para traduzir o nome de mais de 100 Pokémons. Os nomes dos personagens tinham sido anteriormente traduzidos usando o Cantonês, a língua maioritária de Hong Kong.

O centro da polémica é o personagem Pokémon Pikachu, que era conhecido como “Beikaaciu” mas que agora será chamado como “Pikaqiu” nos jogos futuros. Mais de 6000 pessoas assinaram a petição em Março pedindo para que a Nintendo revertesse as mudanças, mas o pedido foi aparentemente ignorado.

A Nintendo terá tomado a decisão devido uma controvérsia em Hong Kong onde muitos habitantes temem que depois de décadas de autonomia, a cidade esteja a perder a dentidade cultural enquanto se reintegra com o resto da China.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.