sicnot

Perfil

Mundo

Dinamarca vai retirar transexualidade da lista de doenças mentais

A comissão dos assuntos de saúde do parlamento da Dinamarca decidiu esta terça-feira por unanimidade retirar a transexualidade da lista de doenças mentais divulgada pela Direção-geral de Saúde daquele país. A medida entrará em vigor a 1 de janeiro de 2017.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Eric Gaillard / Reuters

"Os transexuais na Dinamarca sentem como um estigma o facto de estarem ligados a um diagnóstico de doença mental dentro dos distúrbios de comportamento", declarou o porta-voz para os assuntos de saúde do Partido Social-democrata dinamarquês, Flemming Møller Mortensen.

A proposta inicial foi apresentada em fevereiro passado pela Lista Unitária - Aliança Vermelha e Verde (esquerda) e pela A Alternativa (uma nova formação ecologista de centro), tendo reunido o apoio posteriormente das restantes forças partidárias do parlamento dinamarquês e de várias organizações como a Amnistia Internacional e diversos grupos de defesa dos direitos da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero).

"É um grande passo para os transexuais dinamarqueses e em todo o mundo que os políticos dinamarqueses tenham aprovado de forma tão clara a retirada da transexualidade da lista de doenças mentais. Isto faz da Dinamarca um país pioneiro para os seus direitos", referiu a secção dinamarquesa da Amnistia Internacional, num comunicado.

A Dinamarca permite desde setembro de 2014 que os transexuais mudem de sexo legalmente, sem necessidade de fazer qualquer intervenção cirúrgica ou de ter um diagnóstico médico.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.