sicnot

Perfil

Mundo

Governo e Renamo chegam a consenso sobre agenda do diálogo para a paz

​O Governo moçambicano e a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), principal partido de oposição, chegaram segunda-feira a consenso em relação à proposta de agenda do diálogo sobre o fim da instabilidade política e militar no país.

"Durante este período em que estivemos reunidos, conseguimos consensualizar a proposta de agenda que vamos remeter às nossas lideranças e, depois deste envio, teremos a proposta definitiva", disse hoje aos jornalistas José Manteigas, deputado e membro da delegação da Renamo.

Citado pelo jornal 'O País', José Manteigas afirmou que as delegações do Governo moçambicano e da Renamo chegaram também a entendimento sobre as linhas gerais dos termos de referência do diálogo ao mais alto nível para o fim dos confrontos entre as forças de defesa e segurança moçambicanas e o braço armado do principal partido de oposição.

A reunião de segunda-feira, realizada no edifício da Assembleia da República de Moçambique, foi a segunda entre o Governo e a Renamo da ronda negocial que marcou o reatamento, na quarta-feira da semana passada, do diálogo entre as duas partes, que havia sido interrompido há vários meses.

As delegações do Governo e da Renamo têm a missão de preparar as condições para um encontro entre o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, visando acabar com a instabilidade no país.

Alguns pontos do centro de Moçambique têm sido nos últimos meses palco de confrontos entre as forças de defesa e segurança e o braço armado da Renamo e vários troços da principal estrada do país são alvos de ataques atribuídos ao movimento.

A Renamo exige governar as seis províncias do centro e norte do país onde reivindica vitória nas eleições gerais de 2014, como condição para o fim do conflito armado.


Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.