sicnot

Perfil

Mundo

Quénia vai fechar maior campo de refugiados do mundo "até novembro"

O Quénia vai encerrar o maior campo de refugiados do mundo até novembro e enviar os refugiados somalis ali residentes de volta ao seu país em guerra ou para países terceiros, anunciou esta terça-feira o ministro do Interior.

© Thomas Mukoya / Reuters

O campo de Dadaab, situado na fronteira do Quénia com a Somália, acolhe cerca de 350.000 refugiados, a maioria dos quais fugidos à guerra somali que dura há mais de duas décadas.

O Governo queniano anunciou no início deste mês que vai encerrar o campo e criar uma equipa para investigar como isso há de ser feito.

"Quero informar o mundo de que a decisão de encerrar o campo de Dadaab é final", disse o ministro do Interior, Joseph Ole Nkaissery, depois de receber o relatório da equipa.

"Esperamos encerrar o campo o mais tardar em novembro deste ano", precisou.

Segundo o governante, o relatório será partilhado com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

"Pelo nosso lado, vamos preparar um dispositivo de segurança e garantir que é feito da forma mais humana possível", acrescentou, sublinhando que o relatório é "muito claro quanto aos prazos" para assegurar a partida dos refugiados.

"Mas isto é uma operação do ACNUR, nós só estamos lá para os ajudar a devolver os refugiados", disse Joseph Ole Nkaissery.

As instituições humanitárias e a ONU têm expressado descontentamento com o plano de encerramento do campo, ao passo que grupos de direitos humanos alertaram que repatriar refugiados à força seria uma violação do direito internacional.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.