sicnot

Perfil

Mundo

Transportes queimam quase metade do óleo de palma usado na Europa

Quase metade do óleo de palma consumido na Europa em 2014 foi usado em transportes, diz a associação ambientalista Quercus, segundo a qual o impacto climático do biodiesel é três vezes superior ao do gasóleo.

(Lusa)

(Lusa)

MIGUEL A. LOPES

O estudo da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (Transport & Environment - T&E), que a Quercus integra, baseia-se em dados da FEDIOL - Federação Europeia das Indústrias de Óleos Vegetais e indica que os carros e camiões usaram 45% do óleo de palma consumido em território europeu, o suficiente para encher quatro piscinas olímpicas por dia (10 milhões de litros).

A Quercus assinala que, na Europa, o recurso ao óleo de palma para a produção de biodiesel aumentou seis vezes entre 2010 e 2014 e lembra um estudo da Comissão Europeia que aponta para um impacto climático do biodiesel produzido a partir de óleo de palma três vezes superior ao do gasóleo fóssil.

"O cultivo da palma está associado a graves impactos ambientais, como a desflorestação e a drenagem de turfeiras no Sudeste Asiático, na América Latina e também no continente africano", explica a Quercus.

A Europa - que não produz palma - é o segundo maior importador mundial de óleo de palma, sendo o biodiesel produzido a partir de óleo vegetal virgem o mais utilizado, com três quartos do mercado europeu.

Além dos problemas associados à desflorestação, a Quercus sublinha que os biocombustíveis implicam também um aumento das emissões no setor dos transportes, não contribuem para uma maior segurança energética nem ajudam os agricultores europeus.

A Quercus defende, por isso, que "é necessário descontinuar a utilização de biocombustíveis de primeira geração até 2020" e acabar com a ideia de que os biocombustíveis contam como "zero emissões" no cumprimento das metas climáticas.

"Só cortando os incentivos à produção e consumo destes biocombustíveis de primeira geração é que será possível dar uma oportunidade aos biocombustíveis de segunda e terceira geração, de menor impacto climático", acrescentam os ambientalistas.

A Diretiva de Energias Renováveis (RED, da sigla em inglês) está neste momento a ser revista e deverá ditar o futuro do atual limite de 7% para os biocombustíveis de primeira geração, a partir de 2020, bem como sobre os critérios de sustentabilidade a aplicar a toda a bioenergia, incluindo os biocombustíveis.

Lusa

  • Queixas sobre comércio online dispararam em 2017

    Economia

    A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) recebeu 1.642 reclamações sobre compras feita pela internet em 2017, numa média de quatro queixas por dia, número que sobe para 8.538 no caso da rede social Portal da Queixa.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52