sicnot

Perfil

Mundo

Mais cinco corpos encontrados ao abandono no centro de Moçambique

Mais cinco corpos foram encontrados por um grupo de jornalistas da France Presse (AFP) e Deutsche Welle (DW) em Macossa, centro de Moçambique, aumentando para vinte o número de cadáveres descobertos na região, informou hoje a agência noticiosa francesa.

Corpos encontrados em vala comum na Gorongosa, Moçambique

Corpos encontrados em vala comum na Gorongosa, Moçambique

LUSA

"A partir da berma da estrada, o cheiro é forte a partir dos corpos de pelo menos nove homens e mulheres", escreve a AFP, referindo-se ao local onde há um mês já tinham sido identificados pela Lusa e DW quatro cadáveres abandonados no mato.

Contactados hoje pela Lusa, jornalistas da equipa que se deslocou ao local confirmaram que se trata do mesmo onde já tinham sido documentados quatro corpos, a que se juntam cinco novos cadáveres e restos de ossadas descobertos do outro lado da estrada.

A AFP e DW estiveram também no local onde, a 1 de maio, foram descobertos por um grupo de jornalistas, incluindo a Lusa, onze outros corpos debaixo de uma ponte próxima da Estrada Nacional 1, a principal de Moçambique.

Esses corpos foram entretanto sepultados pelas autoridades, mas "nenhuma autópsia foi realizada, e quatro crânios e alguns ossos ainda são visíveis na areia", relata o texto da AFP, com o título "O regresso dos horrores da guerra civil em Moçambique".

Com estes corpos noticiados pela AFP, aumenta para vinte o número de cadáveres encontrados ao abandono no mato, entre os distritos de Gorongosa e Macossa, no centro de Moçambique.

"Acho que é difícil entender como qualquer investigação pode ser feita sem a realização de uma autópsia aos corpos", comentou Zenaida Machado, investigadora moçambicana da Human Rights Watch, citada no texto da AFP, acrescentando que "o Governo de Moçambique deve dizer quem são aquelas pessoas, como morreram e quem deixou seus corpos lá".

Estes cadáveres foram descobertos nas proximidades do local onde vários camponeses relataram à Lusa a existência de uma vala comum com mais de cem pessoas.

Apesar de várias tentativas, os jornalistas não conseguiram chegar ao local devido à forte presença de militares numa região que tem sido marcada por confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança e o braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

"Na Zona 76, o suposto local da vala comum, todos têm muito medo de falar sobre isso", prossegue o texto da AFP, recordando que as autoridades moçambicanas negaram a denúncia feita pelos camponeses.

A comissão parlamentar encarregada de investigar uma vala comum com mais de cem corpos negou na terça-feira a denúncia feita à Lusa por vários camponeses e disse que vai trabalhar outros "presumíveis" casos.

"O resultado das investigações permite-nos afirmar de forma categórica, inequívoca e definitiva que não há uma vala comum em Canda", afirmou Edson Macuacua, que dirigiu, um mês depois do testemunho dos camponeses, uma visita da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos Humanos e Legalidade da Assembleia da República à zona da denúncia, no distrito de Gorongosa, província de Sofala.

Embora durante a fase de audições da comissão parlamentar tenha dito que os trabalhos dos deputados iriam apenas cingir-se à denúncia da vala com mais de cem corpos, Edson Macuacua disse que serão igualmente averiguados os casos de cadáveres que jornalistas documentaram e fotografaram na província de Manica.

"Temos de trabalhar também na província de Manica, tendo em conta que, além dos relatos a que tivemos acesso, apontava-se para a presumível existência de valas comuns em Manica e também presumíveis situações de violações de direitos humanos", declarou.

Quer a Comissão Nacional de Direitos Humanos, vinculada ao Estado, como a ONU e organizações não-governamentais não se pronunciaram entretanto sobre se tentaram ou conseguiram ter acesso ao local.

A região da Gorongosa, onde se presume encontrar-se o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, tem sido marcada por confrontos entre o seu braço armado e as forças governamentais.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.