sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 11 mortos em atentado jihadista em Mogadíscio

Pelo menos 11 pessoas morreram, entre as quais vários deputados, num atentado hoje perpetrado com um veículo armadilhado contra um hotel da capital somali pelo grupo 'jihadista' al-Shebab, indicaram fontes policiais.

© Feisal Omar / Reuters

Na explosão e no tiroteio que se lhe seguiu, morreram os deputados Abdullahi Jaamac Kabaayne e Mohamed Mohamud Gure, e há mais três parlamentares feridos entre as 22 pessoas atingidas durante o ataque, precisou o porta-voz da polícia, Mohamed Madaxey.

O hotel Ambassador, no centro de Mogadíscio, sofreu hoje à tarde uma forte explosão ao ser atacado com uma viatura armadilhada e, em seguida, um grupo de cinco 'jihadistas' irrompeu nas instalações, relatou à agência de notícias espanhola Efe o deputado Omar Abdullahi Balash.

O grupo al-Shebab, ligados à Al-Qaida, reivindicaram este novo atentado na capital somali, onde nos últimos meses aumentou o número de ataques a diversos hotéis, restaurantes e instituições políticas, à medida que se aproximam as eleições que decorrerão este ano.

A Agência de Informações e Segurança da Somália (NISA, na sigla inglesa) resgatou do interior do hotel uma dezena de pessoas que em seguida foram transportadas para hospitais da cidade.

O ataque ocorreu apenas um dia depois de forças somalis terem matado o líder dos al-Shebab que planeou o ataque à Universidade de Garissa, no Quénia, Mohamed Kuno, numa operação coordenada com tropas norte-americanas.

O ato terrorista de hoje em Mogadíscio registou-se também dias antes de o Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, aterrar na capital somali, esta semana, na sua terceira visita oficial ao país do Corno de África.

Em janeiro de 2015, Erdogan cancelou a visita que tinha agendada a Mogadíscio para assistir ao funeral do rei da Arábia Saudita, Abdallah bin Abdulaziz, só um dia depois de o al-Shebab ter atentado contra o hotel onde estava alojada a delegação turca na capital somali.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.