sicnot

Perfil

Mundo

Reconstrução do Equador após sismo vai custar 2.990 milhões de euros

A reconstrução do Equador depois do terramoto de abril vai custar cerca de 2.990 milhões de euros, segundo o Governo, que vai recorrer a financiamento privado, público e de organismos internacionais.

© Henry Romero / Reuters

Os dados foram avançados hoje por Sandra Naranjo, responsável da Secretaria Nacional da Planificação e Desenvolvimento.

Segundo aquele departamento estatal, o setor público vai contribuir com 2.014 milhões de euros, que corresponde a 67% do valor estimado, dos quais 590 milhões virão de organismos como o Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento e 358 milhões vão ser doados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

O setor privado vai assegurar 33% do valor total previsto, com 975,4 milhões de euros.

A maior parte do dinheiro vai ser investida no setor social (41%), no setor produtivo (31%), nas infraestruturas (26%) e os restantes 2% em segurança ou meio ambiente, entre outros.

Uma lei aprovada no Equador a 12 de maio, a Lei da Solidariedade ajudou a recolher quase 900 milhões de euros, em impostos e contribuições nas zonas afetadas para a reconstrução.

O sismo que ocorreu em abril fez 663 mortos e destruiu 21.823 postos de emprego. As zonas mais afetadas foram as províncias de Manabi e Esmeraldas, no noroeste do Equador.

Segundo o Governo, o impacto do desastre no Produto Interno Bruto (PIB) seria de 0,7 pontos percentuais.

Sandra Naranjo disse que o número prevê o restauro dos bens perdidos e o valor dos produtos e serviços que deixaram de ser produzidos em consequência do terramoto.

Omar Bello, representante da Comissão Económica para América Latina e Caraíbas, sublinhou que o valor estimado de 2.990 milhões de euros pode vir a variar e apesar de não se terem discutidos os prazos, o Chile e a Colômbia demoraram quatro anos a concluir a reconstrução.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.