sicnot

Perfil

Mundo

600 mil pessoas vivem em zonas sitiadas na Síria ameaçadas pela fome

Quase 600 mil pessoas vivem em zonas sitiadas na Síria, onde pelo menos 19 localidades sob cerco militar estão já, em alguns casos, em situação nutricional considerada muito grave, alertou hoje a ONU.

© Muzaffar Salman / Reuters

"Agora em Al Waer (província de Homs) estão 75 mil pessoas. É, provavelmente, a localidade em pior situação nutricional de todas as áreas cercadas. Temos de chegar a Al Waer nos próximos dias", declarou Jan Egeland, o responsável da equipa das Nações Unidas que coordena as vias de acesso para a entrega de ajuda.

As Nações Unidas calculam que cerca de 592 mil pessoas vivem em áreas sitiadas, um aumento que Egeland atribuiu a reavaliações da situação feitas recentemente, na sequência de melhorias no acesso de ajuda humanitária à Síria.

Das 19 localidades sitiadas, a ONU conseguiu desde o início do ano fazer chegar ajuda humanitária a 14, através da Cruz Vermelha Síria e da Cruz Vermelha Internacional.

Nos pontos menos positivos, Egeland revelou que a entrega de alimentos na localidade de Daraya, nos arredores de Damasco, já não se realizará na data prevista, sexta-feira. Na quarta-feira chegou a Daraya - onde vivem cerca de 4 mil civis - uma coluna de camiões com material médico, pelo que se esperava que a coluna com alimentos pudesse chegar na sexta.

Daraya encontra-se numa área controlada pelos rebeldes e não recebe qualquer tipo de ajuda humanitária desde 2012, entre outros motivos porque o Governo sírio não autorizava a entrada de camiões na zona.

Egeland adiantou que os avanços recentes em Daraya se deveram à intervenção da Rússia junto das autoridades de Damasco, que agora autorizaram a passagem de vacinas, artigos médicos para crianças, nutrientes e leite em pó para bebés.

Em termos gerais, Egeland considerou que maio foi um "mês muito mau" no que toca ao acesso humanitário na Síria.

"Chegamos a poucos lugares, a menos gente do que em abril e março... a um quarto das pessoas às quais tínhamos previsto chegar", disse Egeland.

A expectativa da ONU é chegar "numa questão de dias" a 11 localidades sob cerco militar, incluindo Daraya e cinco localidades nos arredores de Damasco.

Na mesma conferência de imprensa, o enviado especial adjunto da ONU para a Síria, Ramzy Ramzy, descartou que esteja para breve o início de operações aéreas para lançar em paraquedas ajuda humanitária.

"Não é iminente. Ainda não foi concluída uma avaliação [sobre essa medida]", a cargo do Programa Alimentar Mundial, o braço logístico da ONU nas questões humanitárias, explicou Ramzy.

O mesmo responsável recordou que o lançamento de ajuda pelo ar constitui uma opção muito mais custosa, complicada e perigosa do que as colunas de camiões, mas que é apoiada pela comunidade internacional caso a via terrestre esteja completamente fechada.


Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "Se alguém tem conhecimento de mais vítimas deve comunicar de imediato à PJ e ao MP"
    0:48
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34