sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades dispersam manifestação em Caracas com gás lacrimogéneo

Militares e polícias venezuelanos recorreram hoje a gás lacrimogéneo para dispersar uma manifestação de algumas dezenas de pessoas no centro de Caracas, nas ruas circundantes do palácio presidencial.

Fernando Llano

O protesto - que culminou com a intervenção das forças de segurança, em número substancialmente superior aos manifestantes - tinha começado horas antes junto de estabelecimentos comerciais, com os manifestantes a condenarem a escassez de bens básicos.

Os manifestantes gritaram palavras de ordem como "Nicolás Maduro, o povo tem fome, queremos comida" e bloquearam avenidas do centro da capital venezuelana, provocando engarrafamentos de trânsito e levando à suspensão de carreiras de autocarros.

Apesar da ação policial os manifestantes regressaram por várias vezes à avenida Fuerzas Armadas, gritando "fora, fora" para os militares e "temos fome, queremos comida".

Durante a manifestação, pelo menos 14 jornalistas foram agredidos por alegados simpatizantes do Governo do Presidente venezuelano Nicolás Maduro, grupos de motociclistas armados conhecidos localmente como "coletivos".

Entre os jornalistas agredidos encontram-se duas equipas das estações de televisão estrangeiras Vivo Play e NTN 24.

A Vivo Play denunciou que uma repórter, um operador de câmara e um motorista foram arrastados para fora da viatura em que circulavam, lançados ao chão, e que o equipamento lhes foi roubado sob ameaça de armas.

Imagens difundidas pela Vivo Play, captadas a partir de um edifício, dão conta do momento em que a equipa do canal é atacada pelos homens armados sob o olhar indiferente de dois polícias militares que circulavam numa motocicleta.

A NTN 24 denunciou que uma jornalista daquela estação foi intercetada por um funcionário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) que a obrigou a apagar o material de vídeo que tinha gravado, antes de deixá-la abandonar o lugar.

Lusa

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.