sicnot

Perfil

Mundo

Guterres quer tropas ocidentais em missões de paz da ONU

O candidato a secretário-geral das Nações Unidas António Guterres defendeu hoje num debate em Londres a participação de tropas de países ocidentais em missões de paz da ONU em vez de contribuírem apenas financeiramente.

© Pierre Albouy / Reuters

O português quer "criar uma nova relação dinâmica entre os doadores de tropas e os doadores financeiros" e uma presença de mais tropas no terreno dos "chamados países ocidentais".

Confrontado com os eventuais problemas que seriam soldados de um país integrarem uma missão numa antiga colónia, Guterres referiu o exemplo da Serra Leoa, onde estiveram tropas britânicas que ajudaram no processo de transição democrática que considerou exemplar.

"Não é justo que uns façam as missões de paz e os outros paguem. É importante que todos estejam envolvidos na manutenção de paz", vincou, aludindo que os países mais ricos têm mais recursos militares.

A este propósito, o antigo primeiro-ministro português apontou a missão de paz na Somália, composta por tropas de vários países africanos e que se deparavam com a falta de equipamento como helicópteros.

"O equipamento deles lembrava-me as forças armadas portuguesas há 30 anos atrás", gracejou Guterres, que apelou a comunidade internacional precisa de apoiar mais as missões de paz.

Mais e melhores meios humanos e materiais, enfatizou, poderão ser essenciais para as missões de paz conseguirem "fazer respeitar os direitos da população que é suposto protegerem".

Mostrou-se também determinado, se for escolhido para secretário-geral da ONU, a acabar com situações em que os guardiões da paz se tornam em violadores dos direitos humanos.

"A pior coisa para mim enquanto funcionário da ONU durante dez anos foi ter conhecimento de situações de direitos humanos não por exércitos ou milícias, mas por guardiões da paz", lamentou.

Guterres falava num debate público intitulado "O próximo secretário-geral da ONU: conheça os candidatos", organizado pelo diário The Guardian em parceria com as organizações United Nations Association-UK (UNA-UK) e Future United Nations Development System.

Além do antigo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), participaram os candidatos Vuk Jeremi, antigo presidente da Assembleia Geral da ONU e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros da Sérvia, e Igor Luki, vice primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros e da Integração Europeia de Montenegro.

Discutiram temas como as alterações climáticas, a ameaça do terrorismo ou a falta de confiança da sociedade nas instituições, incluindo na ONU.

Sobre o tema da falta de igualdade de género, todos invocaram interesse em promover mais mulheres a cargos de responsabilidade na organização.

O antigo líder do Partido Socialista lembrou o seu papel precursor na introdução de quotas para mulheres nos órgãos partidários no início da década de 1990, invulgar, lembrou, para um país da Europa do Sul.

"Não tenho dúvida em assumir que sou feminista", garantiu Guterres.

Este foi o segundo de três debates [o primeiro foi em Nova Iorque a 13 de abril] organizados pelo Guardian com a UNA-UK, cuja diretora, Natalie Samarasinghe, saudou pela importância de envolver a sociedade civil no processo.

"Até agora este tipo de eventos era inimaginável. A seleção do secretário-geral da ONU era envolta em segredo e muitas vezes nem se conhecia o nome dos candidatos. Até a eleição do papa era mais transparente", notou, ao abrir o evento.

Esta é a primeira vez que a ONU vai realizar a seleção do secretário-geral com candidaturas públicas, que vão ser avaliadas pela sociedade civil, como organizações não-governamentais.

A diretora-geral da Unesco, a búlgara Irina Bokova, o ex-presidente esloveno, Danilo Turk, a ex-vice-presidente e ex-ministra dos Negócios Estrangeiros da Croácia, Vesna Pusic, e a ex-ministra da Moldávia Natalia Guerman, o macedónio Srgjan Kerim, que presidiu à Assembleia geral da ONU entre 2007 e 2008, e a ex-primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, são outros dos candidatos a suceder a Ban Ki-moon.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.