sicnot

Perfil

Mundo

ONU vai pedir à Síria autorização para dar ajuda humanitária em zonas sitiadas

As Nações Unidas vão solicitar no domingo a autorização da Síria para poder largar ajuda humanitária pelo ar a centenas de milhar de pessoas encurraladas pela guerra no país, indicaram hoje diplomatas, citados pela agência France Press.

Sede das Nações Unidas em Nova Iorque, EUA

Sede das Nações Unidas em Nova Iorque, EUA

© Carlo Allegri / Reuters

O representante máximo na ONU para os assuntos relacionados com a ajuda humanitária, Stephen O'Brien defendeu numa reunião à porta fechada do Conselho de Segurança (CS) que a autorização do Governo de Damasco é necessária para o fornecimento de alimentação e medicamentos às pessoas encurraladas.

A França, que preside este mês ao CS da ONU, apelou pelo seu lado à Rússia para que faça pressão sobre o seu aliado, no sentido de permitir que facilite o acesso da ajuda humanitária.

"A prioridade absoluta é de levar aqueles que têm influência sobre Damasco, a começar pela Rússia, a aumentar fortemente a pressão sobre o regime", declarou o embaixador francês junto da ONU, François Delattre, de acordo com a AFP, antes do início da reunião.

Quase 600 mil pessoas, de acordo com a ONU, vivem em 19 zonas ou localidades cercadas pelos beligerantes, principalmente pelas tropas do regime, e cerca de 4 milhões em zonas de difícil acesso. Um grande número destas pessoas sofre problemas de subnutrição.

O enviado especial adjunto das Nações Unidas para a Síria, Ramzy Ezzeldin Ramzy, afirmou na quinta-feira em Genebra que os lançamentos de ajuda por via aérea não estão "iminentes", atendendo à complexidade da operação e à necessidade de assegurar a "luz verde" do Governo sírio.

A dificuldade dos lançamentos é, por outro lado, tanto maior quanto os céus da Síria se encontram sobrepovoados pelos aviões russos, sírios e da coligação internacional, liderada pelos Estados Unidos.

De acordo com o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric, será necessário recorrer a helicópteros para transportar a ajuda.

"Nas zonas urbanas, os lançamentos por avião não são possíveis. Cada helicóptero transportaria cerca de três toneladas e deveria aterrar para descarregar", esclareceu.

A guerra fez 280 mil mortos na Síria desde março de 2011 e atirou para fora das suas casas mais de metade da população do país.

Lusa

  • ONU acusa jihadistas de usarem civis como escudos humanos em Fallujah
    1:51

    Daesh

    Cerca de 3 mil e 700 civis terão já conseguido fugir de Fallujah, tomada pelo Daesh e cercada pelas forças iraquianas. As Nações Unidas continuam a apelar à abertura de passagens seguras que permitam a saída dos milhares de civis mas os jihadistas estão a reter os habitantes e a usá-los como escudo humano. O primeiro-ministro iraquiano adiou assalto ao centro da cidade por temer segurança dos civis. A UNICEF alerta que cerca de 20 mil crianças estão presas em Fallujah.

  • As crianças e o frio. O que vestir
    1:58

    País

    O médico Pedro Ribeiro da Silva, da Direção-Geral da Saúde, aconselha especial cuidado com as extremidades do corpo - usar luvas e gorros. E demasiado agasalhadas pode levá-as a transpirar mais e, consequentemente, desidratar.

  • Mortágua acusa PSD de andar a brincar com a vida das pessoas
    0:47

    Opinião

    No Esquerda/Direita da SIC Notícias, António Leitão Amaro reafirmou ontem à noite que o PSD não é contra o aumento do salário mínimo mas contra a descida da TSU. Já Mariana Mortágua acusou os sociais-democratas de andar a brincar com a vida dos portugueses.

  • Pelo menos 30 mortos e 75 feridos em incêndio e derrocada de edifício em Teerão

    Mundo

    Pelo menos 30 bombeiros morreram esta quinta-feira e cerca de 75 pessoas ficaram feridas em Teerão, quando um edifício de 17 andares ruiu depois de ser consumido pelas chamas, noticiaram os meios de comunicação estatais iranianos. O edifício "Plasco" situa-se no centro da capital iraniana, a norte da zona do mercado.

    Em desenvolvimento

  • Os finalistas do Carro do Ano 2017 são...
    0:53

    Economia

    São sete os escolhidos pelos jurados do Carro do Ano, iniciativa do Expresso e da SIC Notícias. À final chegaram o Citroen C3 Pure Tech, o Hyundai IONIQ Hybrid Tech, da Kia o novo modelo Optima Sportwagon 1.7 CRDi GT Line, o Peugeot 3008 Allure 1.6 BlueHdi, o Renault Mégane Sport Tourer Energy dCI, o SEAT Ateca 1.6 TDI CR Style e ainda o Volvo V90.