sicnot

Perfil

Mundo

Parlamento venezuelano pede informação à Colômbia sobre nacionalidade de Maduro

O parlamento da Venezuela, onde a oposição é maioria, confirmou hoje que pediu formalmente ao Ministério de Relações Exteriores da Colômbia e ao Senado do país vizinho o envio de informações para determinar se o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, é colombo-venezuelano.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O pedido foi confirmado aos jornalistas pela presidente da sub-comissão de Assuntos Civis do Parlamento venezuelano, Dennis Fernández, durante uma conferência de imprensa em Caracas, numa altura em que vão sendo cada vez mais as figuras públicas da Venezuela a insistirem que o Chefe de Estado tem dupla nacionalidade e estaria inabilitado, segundo a Constituição, para presidir aos destinos do país.

"Vemo-nos na obrigação de pedir ao Governo colombiano para que precise a identidade ou nacionalidade do Presidente (Nicolás) Maduro, assim como também a sua dupla nacionalidade, por ser filho de pais colombianos, segundo a Constituição colombiana. Estaríamos perante um caso de dupla nacionalidade", disse.

A legislação colombiana estabelece que os filhos de cidadãos naturais da Colômbia têm automaticamente a nacionalidade desse país.

No texto dos pedidos, assinados pelo presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Henry Ramos Allup, lê-se que o parlamento "investiga se o Presidente (Nicolás Maduro) possui a nacionalidade da República da Colômbia, com base em elementos como a nacionalidade colombiana da sua mãe e do pai e o lugar de nascimento".

"Agradecemos a colaboração, no sentido de proporcionar a esta Assembleia Nacional, informação do Registo Civil colombiano ou de outros organismos públicos, sobre dados que permitam determinar se (Nicolás) Maduro é colombiano", referem os documentos.

Quinta feira, durante uma conferência de imprensa em Caracas, a deputada da oposição Melva Paredes apresentou uma série de documentos, que, segundo afirmou, comprovam que o Chefe de Estado teria dupla nacionalidade, apesar de a Constituição da Venezuela estabelecer que "para se ser eleito presidente da República é necessário ser-se venezuelano por nascimento e não possuir outra nacionalidade".

A 30 de janeiro último o parlamentar da oposição Enrique Aristigueta Gramcko solicitou ao parlamento o início de uma investigação sobre a alegada dupla nacionalidade de Nicolás Maduro.

A 19 de fevereiro a deputada Dennis Fernández confirmou que foi encarregada de realizar as respetivas investigações.

Por outro lado, a 12 de abril último, o parlamento solicitou oficialmente ao primeiro mandatário venezuelano que apresentasse uma certidão de nascimento venezuelana e outros documentos que comprovassem que não teria outra nacionalidade, pedido que ainda não foi respondido.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.