sicnot

Perfil

Mundo

Português detido no Brasil e outro foragido por desvio de verbas públicas

Um português foi temporariamente detido na segunda-feira no Brasil e outro continua foragido à justiça devido a suspeitas de desvio de recursos públicos no estado de Minas Gerais.

Arquivo

Arquivo

© Sergio Moraes / Reuters

Segundo um comunicado do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o português Hugo Alexandre Timóteo Murcho, diretor no Brasil da multinacional portuguesa Yser e da empresa Biotev Biotecnologia Vegetal Ltda, foi detido por um período de cinco dias.

Cinco brasileiros também foram detidos temporariamente, incluindo Nárcio Rodrigues da Silveira, ex-secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais.

Segundo a imprensa brasileira, o também ex-presidente do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) de Minas Gerais é próximo de Aécio Neves, candidato derrotado nas últimas presidenciais.

A lei brasileira determina que a detenção temporária de cinco dias pode ser prorrogada por igual período ou convertida em prisão preventiva.

"Ainda estão foragidos outros investigados, entre eles o presidente do grupo económico multinacional português Yser, Bernardo Ernesto Simões Moniz da Maia", lê-se no comunicado do MPMG.

A Polícia Federal foi acionada para descobrir se Bernardo Ernesto Simões Moniz da Maia continua no Brasil, escreve o jornal Estado de São Paulo esta quinta-feira.

O jornal acrescenta que uma auditoria revelou que os valores desviados entre 2012 e 2014 superam 14 milhões de reais (3,5 milhões de euros) e deveriam ser destinados à construção e projetos da "Cidade das Águas", desenvolvida pela Fundação Hidroex.

Segundo o comunicado do MPMG, no âmbito da operação Aequalis, foram também cumpridos 27 mandados de busca e apreensão.

"O objetivo da operação foi colher elementos de prova sobre a prática dos crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, fraude a licitações, lavagem de dinheiro e organização criminosa", informou o MPMG.

O jornal Folha de São Paulo avançou na terça-feira que outro executivo português, Firmino Rocha, afirmou em delação premiada (troca de informações por redução de pena) que a empresa onde trabalhava pagou um suborno de 1,5 milhões de reais (375 mil euros) a Nárcio Rodrigues e que parte desse dinheiro foi para financiamento ilegal de campanhas eleitorais.

Firmino Rocha revelou que o suborno foi pago para o grupo Yser ser beneficiado num contrato sobrefaturado no esquema de aquisição de material para a "Cidade das Águas".

De acordo com o gestor, o dinheiro do suborno teve origem nesse contrato e parte foi remetida para o paraíso fiscal de Hong Kong em 2014.

Uma auditoria mostrou que, apesar de terem sido pagos, os equipamentos não foram, alegadamente, entregues.

Posteriormente, a Biotev, do grupo Yser, teria sido responsável pela organização da cotação de preços que teve como vencedora outra empresa do grupo, a SRN Comercial Importadora e Exportadora S/A.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.