sicnot

Perfil

Mundo

Presidente moçambicano acusa Renamo de cometer atrocidades

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, acusou quinta-feira a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) de cometer atrocidades, apelando ao principal partido da oposição, "para não matar a esperança do povo".

© Grant Neuenburg / Reuters

"Moçambique vive hoje atrocidades perpetradas pela Renamo no centro do país, provocando mortes e sofrimento aos moçambicanos", disse Nyusi, citado pelo jornal O País, principal diário privado moçambicano, na cerimónia de graduação em licenciatura de estudantes do Instituto Superior de Ciências de Saúde (ISCISA), no âmbito da presidência aberta que realiza na capital moçambicana.

"Enquanto o vosso empenho (enfermeiros) é para acrescentar o valor à vida, reduzindo as mortes e sofrimento, há quem provoca mortes, matando e dificultando a vida dos moçambicanos", afirmou Filipe Nyusi.

Moçambique tem conhecido um agravamento dos confrontos entre as forças de defesa e segurança e o braço armado da Renamo, além de acusações mútuas de raptos e assassínios de militantes dos dois lados.

O principal partido da oposição recusa-se a aceitar os resultados das eleições gerais de 2014, ameaçando governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio.

As delegações do Governo moçambicano e da Renamo voltaram a reunir-se na quinta-feira pela terceira vez, desde a retoma de conversações entre as duas partes na semana passada, visando preparar as condições de um encontro entre Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama.

As duas partes anunciaram na segunda-feira ter chegado a consenso sobre a proposta de agenda e os termos de referência do encontro, mas não adiantaram pormenores sobre o conteúdo do entendimento.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.