sicnot

Perfil

Mundo

Febre-amarela de Angola já matou 325 pessoas e pode já ter chegado a São Tomé

A epidemia de febre-amarela em Angola já matou 325 pessoas em seis meses, três outros países já confirmaram casos importados e em outros três, incluindo São Tomé e Príncipe, há situações "suspeitas".

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Mike Hutchings / Reuters

Os dados remontam a 01 de junho e constam do mais recente balanço da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a epidemia, consultado hoje pela Lusa, que destaca o "risco de propagação internacional através de viajantes não imunizados".

Além da situação angolana, em que aquela organização das Nações Unidas refere 2.893 casos suspeitos de febre-amarela e 788 laboratorialmente confirmados em 16 das 18 províncias, a OMS acrescenta que três países já "confirmaram" casos "importados" de Angola, foco da epidemia, que começou em dezembro.

É o caso da República Democrática do Congo (44 casos), do Quénia (dois) e da China (11), acrescidos de situações suspeitas de febre-amarela em investigação em São Tomé e Príncipe (dois) na Etiópia (22) e na República do Congo (um).

A OMS acrescenta que a epidemia de febre-amarela em Angola - que está a acompanhar diretamente no terreno -, e agora na República Democrática do Congo, está "largamente concentrada nas grandes cidades", mas que há um "grande risco de propagação" local e para outros países, como a Namíbia e a Zâmbia, apelando por isso à vacinação de todos os viajantes e trabalhadores estrangeiros nesta região do continente africano.

O ministro da Saúde de Angola, Luís Gomes Sambo, anunciou em a 23 de maio, em Genebra, querer vacinar cerca de 24 milhões de pessoas, ou seja "toda a população-alvo" da atual epidemia de febre-amarela, mas admitiu que não há no mercado vacinas suficientes.

Segundo o ministro, que discursava perante a Assembleia Mundial de Saúde, cerca de 12 milhões de vacinas foram adquiridas e oito milhões de pessoas já foram vacinadas no país.

Afirmou que o governo angolano mobilizou cerca de sete milhões de dólares de fundos domésticos para vacinas, medicamentos e custos operacionais da luta contra a febre-amarela, mas lembrou que o país, e o mundo, se confrontam com a falta de vacinas no mercado internacional.

Segundo as autoridades de saúde angolanas, o foco da epidemia está em Viana, arredores de Luanda, e o mosquito vetor, o 'aedes aegypti', está espalhado por todo o país.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57