sicnot

Perfil

Mundo

Ligeira descida das águas do rio Sena

O nível das águas do Sena desceu ligeiramente hoje de manhã, em Paris, pela primeira vez numa semana, para 6,07 metros cerca das 06:00 locais (04:00 TMG), depois de ter atingido os 6,10 metros durante a madrugada.

JEREMY LEMPIN

Os dados foram divulgados pelo serviço de prevenção Vigicrues.

Após oito horas de subida contínua, o Sena regressou ao nível de sexta-feira às 20:00 em Paris, confirmando um abrandamento da subida das águas.

A ministra do Ambiente, Ségolène Royal, considerou na sexta-feira provável que o nível estabilizasse "entre os 6,10 metros e os 6,40 metros durante a noite".

Por enquanto mantém-se abaixo da marca de 1982 (6,18 metros) e longe da cheia histórica de 1910 (8,62 metros).

As "hipóteses mais desfavoráveis" do ministério apontam para um máximo de 6,50 metros.

A Météo-France espera cheias para este fim de semana, mas "sem comparação" com as registadas no anterior.

Face a uma subida do Sena ao nível mais alto dos últimos 30 anos, Paris adotou na sexta-feira uma série de medidas preventivas: os museus do Louvre e d ´Orsay permanecem encerrados, tal como os cais e os barcos, e foram erguidas barricadas.

As chuvas diluvianas que se abateram sobre a Europa esta semana, causaram pelo menos 16 mortes.

A subida das águas não fez estragos significativos na capital. À semelhança de outros 12 departamentos, Paris encontra-se em alerta laranja.

Lusa

  • Zonas nos arredores de Paris são as mais afetadas pelas cheias
    1:37

    Mundo

    A França continua inundada devido à subida do nível das águas do rio Sena. A SIC falou hoje com um vereador na Câmara de Paris que relata que neste momento os barcos não podem navegar, há vários restaurantes inundados e danificados. Contudo, garante que as situações mais preocupantes, que têm originado mais chamadas para as autoridades, são fora da capital francesa.

  • França enfrenta as piores cheias em mais de 50 anos
    4:08

    Mundo

    França está a viver as piores cheias em mais de 50 anos. Em Paris, o nível da água do Rio Sena continua a aumentar. A capital francesa está em risco máximo de inundações. A uma semana do início do Europeu de futebol, há museus, escolas, linhas de metro que estão encerradas.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.